Dicas para comprar um carro: Veja o que considerar antes de comprar um carro seminovo ou 0 km

Você está decidido comprar um carro, ou trocar o seu. Agora, é hora de avaliar alguns pontos para saber qual carro você vai escolher. Para realizar uma boa compra, seguem algumas dicas de Riccardo Brumana, gerente da concessionária Eurobike Special. Ricardo diz que é preciso escolher, em primeiro lugar, um carro que seja útil para você. “Não adianta comprar um carro esportivo, de duas portas, se você tem uma família”, aconselha ele. Assim como não há necessidade de comprar uma minivan se você anda sozinho o dia todo, não carrega nada e nem ninguém, e ainda vai ter mais gasto de combustível e dificuldade para estacionar. Se o carro for usado, verifique, além da conservação geral, a procedência. Procure saber se é um estabelecimento idôneo. “Algumas lojas se especializam em vender apenas carros confiáveis, com pouco uso, que tem procedência garantida e estão em bom estado”, diz Ricardo. “Hoje, algumas lojas dão até garantias mais extensas do que as tradicionais de três meses”. Cuidado com os longos prazos de pagamento. “Percebo que, hoje em dia, as pessoas não pensam que, comprando um carro usado com um financiamento muito longo, estarão com um carro de 10 anos quando terminarem de pagar”. Se você necessita, então, pagar em muitas prestações, opte por um mais novo ou zero. Nesse caso, é preferível, ao invés de comprar um carro completo e usado, adquirir um novo sem tantos opcionais. Se o financiamento não precisa ser tão extenso, considere que o seminovo, com dois ou três anos de uso, “você pode comprar emplacado e com o IPVA pago e não ter esse gasto. Além disso, pega um carro bom que está custando 30% menos do que um zero quilômetro”, diz Ricardo. Além disso, há muitos carros nas lojas, pois há pouca procura e muita oferta de usados – o que faz, também, cair o preço. Se você for comprar um carro zero, as principais vantagens são: “a garantia da fábrica, condições de financiamento – que são melhores para os novos – e a chance de aproveitar promoções como IPVA ou opcionais”, completa. Se você estiver de olho em um carro zero quilômetro, a dica do gerente de vendas é dar uma olhada em anúncios do mesmo carro, só que usado. Assim, você saberá o quanto esse carro desvalorizará no mercado depois de alguns anos de uso. Se sua opção for um importado, lembre-se que esse tipo de veículo desvaloriza mais, seja ele zero ou usado. E, quanto mais antigo, mais difícil será de revender. Se sua preocupação não é o dinheiro, um importado usado é bem mais barato do que o zero e pode ser encontrado em excelentes condições e com pouco uso. A crise atual do dólar afetou o mercado dos automóveis importados. “Por isso, as vendas diminuíram, então, o carro perdeu um pouco do valor. E, assim como diminuiu o preço dos novos, defasou o preço dos usados”, diz o gerente da . E comprar um importado é ter a consciência de que ele estará à mercê das oscilações da moeda americana. Se o vendedor do zero quilômetro disser que, hoje em dia, a cor não importa na hora da revenda, duvide. “O preto e prata ainda são os mais fáceis de vender no futuro”, diz Brumana. “As cores mais berrantes, o branco e essas modernas, que entram e saem da moda rapidamente são mais difíceis de revender.” Você apertou o cinto e notou que tem dinheiro para comprar um carro melhor e mais equipado, mas lembre-se que um carro que vale mais também vai gerar gastos maiores. “Quanto mais luxuoso o carro, mais caras são as peças, o seguro, o IPVA”, lembra. O valor da manutenção dos carros não varia muito, atualmente. “A hora de serviço cobrada para os modelos nacionais é basicamente a mesma, assim como o valor das peças, que variam apenas se o carro for mais luxuoso. Porém, a hora de um mecânico de importados é mais cara”, diz Brumana. Comprar um carro 1.0 pode ser uma boa ideia dependendo do uso que você faz dele. Cuidado: se você anda com o carro sempre cheio, com bagagem, pega muita estrada, um popular não é a melhor opção. Se for sedã, então, mais pesado ainda. Porém, quanto mais potente, mais ônus. “Carros com maior potência é para quem não se preocupa com o consumo de combustível. E se é mais potente, o IPVA também sobe”, lembra o gerente. Não é só se o carro é visado ou não para roubo que deixa o seguro dele mais caro. Se é um importado ou de luxo, quando as peças são mais caras, o prêmio do seguro também fica elevado. “Isso porque, em caso de uma colisão, o custo para arrumar será muito maior para a seguradora.” Também é imprescindível dar uma volta no carro antes de comprá-lo. Mas dá mais uma dica: “verifique se as luzes do painel estão todas apagadas, as de anomalias, que podem denunciar algum problema. São como um semáforo: as verdes, não significam nada demais. Se for amarela, é para ter cuidado com alguma coisa que pode estar errada. Se for vermelha, há algum problema.

Seja parte de algo grande