Especialista dá dicas de como fazer uma boa compra de carro usado com câmbio automático

A cada ano, os veículos com câmbio automático ganham a preferência de mais brasileiros. Em consequência, a oferta de usados cresce e chama a atenção pela ótima relação custo-benefício. Muitos modelos são completos com preço de carro popular. Mas qual é a melhor forma de testá-los, escapar das armadilhas e fazer uma boa compra?
Especialista dá dicas de como fazer uma boa compra de carro usado com câmbio automático
A Brasil Automático, empresa que ministra cursos e treinamentos sobre transmissões automáticas, reuniu algumas dicas práticas para se avaliar corretamente esses veículos e fugir dos principais problemas. Caçando Vazamentos O ideal é começar a checagem por baixo, procurando manchas de fluido (geralmente avermelhado) na região da transmissão. Se encontrar, é melhor desistir da compra. Vazamentos são altamente prejudiciais ao sistema e nunca é possível saber quantos quilômetros o veículo rodou com o problema e quais danos foram causados ao câmbio. Antes de Sair Outro grande sinal de problema no câmbio automático é a demora nas trocas de marchas. Uma forma prática de testá-lo é colocar a alavanca em "P" (Park), ligar o veículo, esperar a motor se estabilizar, pisar no freio e engatar a posição "D" (Drive). No máximo em dois segundos, a transmissão deverá engatar e dar a sensação de que o carro quer sair. O processo deve acontecer de forma suave, sem trancos ou ruídos. A seguir, é preciso mudar de "D" para "N" (Neutro) para checar se o sistema desengata com rapidez e suavidade. Finalizando, sair de "N" e engatar "R", para conferir se que não existem problemas com a ré. Se houver demora no engate das marchas, trancos ou ruídos, é sinal de que existem desgastes excessivos nas partes internas do câmbio, problemas hidráulicos ou eletrônicos. É melhor procurar outro veículo. Dirigindo o Automático Na hora de sair, o melhor é conduzir suavemente, com uma aceleração progressiva. Até uma velocidade ao redor de 60 km/h, devem ocorrer duas (ou mais) trocas de marcha. O ideal é que o processo aconteça de forma suave, rápida, sem vibrações ou "patinação", ou seja, quando a rotação do motor sobe sem um aumento significativo da velocidade. Também é preciso verificar o sistema de redução. Com a alavanca em "D" e dirigindo a uma velocidade por volta de 50 km/h, basta pressionar o acelerador ao fundo que a transmissão deverá reduzir imediatamente.
Especialista dá dicas de como fazer uma boa compra de carro usado com câmbio automático
Testando as Teclas Alguns câmbios automáticos possuem uma série de teclas que precisam ser checadas antes da compra do veículo. O ideal é sempre se informar (até no próprio manual do carro) sobre o que cada sistema oferece. A tecla mais comum é a Overdrive, que engata a última marcha da transmissão (geralmente a quarta ou quinta). Para avaliá-la, o melhor é estar numa estrada plana, a cerca de 70 km/h e sem acelerar. Ao apertar o botão, a troca deve ser feita suavemente e sem "patinação". Quando desligar, o sistema deve reduzir em seguida. Outras teclas que podem existir e devem ser testadas são aquelas para pisos escorregadios (Winter ou Snow) ou condução esportiva (Sport). Todas precisam estar funcionando e sempre de forma suave. Advertência no Painel Se na avaliação uma luz de advertência acender no painel (geralmente com o desenho de uma engrenagem ou alavanca de mudanças) ou, pior, se o câmbio mudar de comportamento toda vez que a luz acende, o sistema tem alguma falha séria, provavelmente no módulo eletrônico. É preferível procurar outro veículo para a compra. Dirija Bastante Para se avaliar corretamente um veículo automático usado, é sempre importante dirigir muito. Na maioria das vezes, os defeitos aparecem quando o câmbio está quente, depois de 20 a 30 km percorridos. Também é importante não levar em consideração aquelas conversas de que "esse barulho é normal", "todos os modelos desse ano fazem isso", "é porque o carro está frio" ou desculpas parecidas. Outros vendedores costumam alegar que "é um conserto simples" ou mesmo que podem arrumar. É melhor não confiar. Quase sempre, é possível fazer reparos baratos e de baixa qualidade no câmbio, que quebrarão pouco depois. Cuidados Preventivos Depois de fechar o negócio e levar o automático para casa, o ideal é sempre dirigir com suavidade e realizar a manutenção preventiva, como atentar ao aparecimento de pingos avermelhados no piso da garagem, verificar periodicamente o fluido e consultar uma oficina especializada ao aparecimento do primeiro problema, por menor que possa parecer. Fonte/Texto: Brasil Automático - Treinamentos e literatura sobre câmbios automáticos.

Seja parte de algo grande