Coluna Alta Roda: Inspeção Ambiental Veicular continua sendo muito polêmica e questionável

Dentro de alguns dias o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) vai se reunir para tentar resolver problemas envolvendo a polêmica inspeção ambiental veicular (IAV), da capital paulista. No ano passado, de forma equivocada, apenas carros a gasolina, etanol ou flex produzidos entre 2003 e 2008 passaram pela inspeção, ou seja, os de emissões zero ou quase zero, segundo regulamentos de homologação. Mais grave, automóveis licenciados em dezembro, com placas de final 1, foram obrigados a se submeter ao teste após apenas três meses de uso. Em 2009, os aprovados pagaram e receberam de volta a tarifa de IAV. Porém, o tempo perdido no agendamento, pagamento de boleto e deslocamentos inúteis nem enrubesceu os responsáveis pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. Em 2010, incluiu-se a frota inteira e a tarifa de R$ 56,44 não é devolvida. Aquela esdrúxula obrigação sobre veículos de primeiro licenciamento continuou e sem justificativa. Na realidade, há uma razão dissimulada. Como a evasão entre veículos mais antigos é e será grande, pelo poder aquisitivo limitado dos proprietários, sustenta-se o equilíbrio financeiro da empresa concessionária impondo ônus aos donos dos carros seminovos. Resultado: outro imposto disfarçado e baixo impacto sobre a qualidade do ar. Noutros países a inspeção começa no terceiro ou quarto licenciamento. Para complicar, vários modelos de automóveis com um ou dois anos de uso, nacionais e importados, estão sendo barrados na IAV, sem motivo aparente. Depois de revisão apurada, continuaram condenados. Polêmica formada, a Anfavea alega que o limite exigido na inspeção – 0,3% de CO –  é inferior ao homologado – 0,5% – e explicaria as reprovações. Na verdade, 95% dos modelos emitem 0% de CO ao passar pela homologação. Portanto, um fator de deterioração para 0,3% já inclui grande margem, pondera o órgão ambiental do Estado de São Paulo. A coluna ouviu engenheiros e especialistas que apresentaram explicações plausíveis. O procedimento de teste inclui aquecimento do catalisador, acelerando o motor até 2.500 rpm, para primeira leitura dos gases. Na prática, o período de descontaminação da sonda de escapamento revelou-se inadequado em alguns casos. Além disso, os 30 segundos em marcha lenta, presumidos na leitura automática pelo computador, também são escassos. Como o programa impede a leitura fora daquele limite de tempo, o técnico se vê obrigado a reprovar o veículo. O advento de motores com aceleradores eletrônicos também aumenta um pouco o intervalo para estabilização e leitura da marcha lenta. Durante o processo de homologação oficial não faz diferença, mas a linha de inspeção tem outra dinâmica – ou pressa – que exige revisão urgente. O motorista pagante nunca poderia ser prejudicado. A inspeção de ruído – incluída na IAV sem poder de reprovação no momento – ainda suscita dúvidas e também caberá ao Conama solucionar. Dentro de um ano todos os estados e municípios com mais de três milhões de veículos (boa parte do País) deverão estruturar a IAV. O que acontece hoje, na cidade de São Paulo, é uma demonstração de erros inadmissíveis, em algo tão essencial como o ar que respiramos.
Coluna Alta Roda: Inspeção Ambiental Veicular continua sendo muito polêmica e questionável
RODA VIVA MELHOR julho nas estatísticas de vendas registradas pela Anfavea – 302.000 unidades de carros a caminhões – comprovam que 2010 será mais um grande ano. Até os estoques nas fábricas e concessionárias diminuíram de 36 dias, em junho, para 34 dias. Há margem para continuação de feirões e incentivos, enquanto os estoques não baixarem para 25 dias. NOVO Jetta começa a ser vendido na América do Norte. Sedã médio-compacto mexicano inicia estratégia inédita de preço na Volkswagen. Por R$ 29 mil, nos EUA, ficou relativamente barato para padrões da marca. Filial brasileira vai dispor desse produto, em 2011. Permitirá inserção competitiva no segmento, o que não ocorre agora. COREANOS estão ousados no desenho, como mostra o Hyundai ix35, sucessor do Tucson no exterior, embora aqui convivam. Volante de bom diâmetro, câmbio automático de trocas suaves, motor de 2,4 l/177 cv e suspensões eficientes lembram mais automóvel do que SUV. Motor de 2 litros/166 cv também vai bem. Mas há falhas de acabamento. Preços: R$ 88 mil a R$ 115 mil. CHERY espera que o Face, trazido da China e não mais do Uruguai por R$ 32 mil, entre no segmento dos monovolumes com mais chances. Há menos rivais a enfrentar. Seu utilitário esporte compacto Tiggo e médio-compacto Cielo estão numa faixa de forte concorrência. Em 2011 completará a linha com outros cinco modelos. A qualquer momento anunciará fábrica em São Paulo. CONSELHO Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) recomendará aos fabricantes de veículos que evitem usar películas escurecedoras nos vidros, em desacordo com o Código de Trânsito Brasileiro. Na maioria dos filmes e fotos de publicidade há abusos. Induzem clientes a uma condução insegura à noite e em situações de baixa visibilidade.
Coluna Alta Roda: Inspeção Ambiental Veicular continua sendo muito polêmica e questionável
Sobre: Fernando Calmon (fernando@calmon.jor.br) é jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna Alta Roda começou em 1999. É publicada no CARPLACE e em uma rede nacional de 70 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente para a América do Sul do site just-auto (Inglaterra).

Seja parte de algo grande