Uma Ferrari “sensitiva”?

Muito embora a informação pareça estranha, a conceituada publicação inglesa Autocar afirmou que a Ferrari está desenvolvendo para seus próximos modelos sistemas capazes de monitorar o estado físico e mental de quem estiver atrás do volante.
Uma Ferrari “sensitiva”?
De acordo com Greg Kable, correspondente da revista, as informações sobre o motorista serão coletadas através de sensores biométricos espalhados pelo veículo. Com base nessas informações o computador de bordo será capaz de ajustar dispositivos, tais como os controles de estabilidade e tração, de forma a proporcionar mais segurança aos ocupantes do carro.
Uma Ferrari “sensitiva”?
Os equipamentos seriam instalados no teto da cabine, painel, volante e banco do motorista. O mostrador ficaria no manettino – como é chamado o conjunto de controles presentes nos volantes dos automóveis da marca italiana. Kable, que teve acesso a alguns dos documentos da fabricante, contou que as tecnologias foram descritas em diversos pedidos de patentes protocolados pela montadora em agências da Europa e em várias partes do mundo. Segundo ele, a Ferrari afirma que os motoristas superestimam suas habilidades e que, ante o desejo de guiar um esportivo de alto desempenho, enganam-se sobre suas reais condições psicológicas e físicas. Dentre as solicitações de patentes estão cabines equipadas com sensores psicométricos e biométricos para gravação e transmissão de dados, bem como parâmetros cuja meta é traçar o perfil em tempo real das condições físicas e psicológicas do condutor. Em estudo estão sensores para medir a respiração, frequência cardíaca, pressão sanguínea, bem como uma câmera de monitoração da taxa de intermitência dos olhos do motorista para determinar seu estado de atenção, além de dispositivos para monitorar a atividade elétrica do cérebro, transpiração e temperatura corporal. Por: Michelle Sá - Fonte: Autocar/Carsale

Seja parte de algo grande