Coluna Alta Roda: Desafios a superar - Mitsubishi ASX será fabricado no Brasil

Coluna antecipa: Mitsubishi ASX será feito no Brasil No intervalo de apenas 15 dias dois grandes eventos movimentaram a engenharia da mobilidade em São Paulo. O mais recente, o 19º Congresso e Exposição da SAE Brasil, focou nas competências da engenharia brasileira para a mobilidade do futuro. Foram três dias, na semana passada, de apresentações e debates, 20 painéis e 140 apresentações técnicas, além de dezenas de estandes, quase um minissalão do automóvel, com a diferença que a maioria das novidades só chegará nos próximos anos. Fácil observar que todos conhecem os desafios a enfrentar nos próximos anos para atingir o patamar de 5 milhões de unidades produzidas no Brasil em 2015. Dinheiro, de fato, não vai faltar e a cifra de US$ 20 bilhões em investimentos na cadeia produtiva parece garantida. O espírito desse congresso pode ser sintetizado na declaração do presidente da SAE Brasil, Besaliel Botelho: “Temos de ser criativos para transpor obstáculos como impostos altos, gargalos de infraestrutura e mesmo as questões ambientais”, afirmou. Entre dezenas de inovações, a coluna destaca algumas, resumidamente. A Brose mostrou um dispositivo que permite deixar a porta aberta em qualquer posição (muito útil em estacionamentos), mesmo em ladeiras. A nova central elétrica da Delphi traz recursos aplicáveis aos carros baratos e fiação elétrica em alumínio substituindo o cobre com a vantagem de ser bem mais leve. A Bosch apresentou a última geração de freios ABS para motocicletas, mais leve e menor, características também aplicadas nos novos motores levantadores de vidros. A Visteon avançou na central de informação e entretenimento ao incluir navegação via internet utilizando os mapas do Google e integração com câmeras que monitoram a situação do trânsito. A antena inteligente da Continental integra transmissão e recepção em uma única unidade, prevendo a futura comunicação entre carros. A Schaeffler pretende expandir o uso do UniAir, gerenciamento eletro-hidráulico de válvulas. A FPT mostrou seu sistema patenteado de aquecimento de etanol e ar de admissão para eliminar a gasolina de partida nos motores flex. Especial atenção para a Plascar. Além de validar no exterior sua roda de polímero (plástico), exibiu um pequeno automóvel elétrico para demonstrar o uso de novos materiais sustentáveis. O estilo do carrinho se destacaria em qualquer salão, aqui ou no exterior. Quanto ao 18º Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva, organizado pela AEA no final de setembro, o tema da harmonização global de várias regulamentações técnicas – de segurança até emissões – é o caminho a seguir. O ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, anunciou planos para criar uma única etiqueta do consumo e emissões – pode ser obrigatória – a fim de facilitar a escolha do consumidor. Também acenou com a possibilidade de escalonar as alíquotas de IPI não mais pela cilindrada e sim por consumo/emissões. Estímulo específico para criar um fabricante brasileiro de veículo, mesmo elétrico, não estaria contemplado na futura política do País. Um ponto positivo foi saber que, até 2015, o Brasil estará alinhado às melhores especificações de combustíveis existentes no mundo, inclusive oferta apenas de gasolina aditivada. RODA VIVA ANFAVEA reviu para cima a previsão de produção deste ano para 3,6 milhões de unidades graças a uma inesperada reação das exportações, em especial de veículos CKD (desmontados). Os empregos na indústria cresceram pelo 15º mês consecutivo. Os estoques totais se estabilizaram em setembro nos 31 dias, só um pouco acima do ideal (menos de 30 dias). VENDAS em setembro, no critério correto de média diária, cresceram 2,8% sobre agosto. Setembro teve menos um dia útil do que o mês anterior. Previsão para 2010 continuou em 3,4 milhões de veículos, mas o índice de confiança do consumidor na pesquisa da FGV subiu 10 pontos sobre 2009. Portanto, é possível que se vendam mais veículos do que o previsto. NOVO Audi A8 cuidou com especial atenção do conforto interno. Bancos dianteiros podem ter 22 regulagens, além de três fases de ventilação. Banco traseiro também apresenta ajuste de inclinação e memória. Guiar traz novas sensações com o controle de cruzeiro adaptativo e parada total, se programado. Motor V-8 de 372 cv e tração 4x4 são referências no segmento de topo. PRETENSÕES ousadas da Mitsubishi para o mercado brasileiro em 2012/13. Grupo Souza Ramos confirmou que, além do Pajero Dakar e do sedã Lancer já previstos (para brigar com Focus, Corolla e outros), também produzirá o ASX, crossover com arquitetura do Lancer e porte do Sportage. Há planos para motores. INSTALAÇÃO de ABS e airbags duplos em todas as versões superiores de Fox, Polo e Golf (linha 2011) sinaliza que haverá esforço dos fabricantes em se antecipar à lei. Limite é 1º de janeiro de 2014. Antes disso quase todos os modelos devem oferecer esses itens de série. No fim da fila, apenas os carros básicos.
Coluna Alta Roda: Desafios a superar - Mitsubishi ASX será fabricado no Brasil
Sobre: Fernando Calmon (fernando@calmon.jor.br) é jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna Alta Roda começou em 1999. É publicada no CARPLACE e em uma rede nacional de 70 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente para a América do Sul do site just-auto (Inglaterra).

Seja parte de algo grande

Coluna Alta Roda: Desafios a superar - Mitsubishi ASX será fabricado no Brasil

Foto de: Fábio Trindade