Abençoados por Deus e punidos pela natureza? Dicas de cuidados com a pintura

O brasileiro é “antes de tudo um forte”. Fora a paciência com o trânsito e com outros problemas decorrentes ou não deste, ele ainda tem que tomar cuidados com a pintura e o estofamento do seu carro por conta do calor. Diante das altas temperaturas ocasionadas pelo nosso verão a incidência dos raios ultravioleta (UV) arruína a camada de proteção das superfícies e submete o metal ou revestimentos a danos que, com o passar do tempo, podem ser irreversíveis.
Abençoados por Deus e punidos pela natureza? Dicas de cuidados com a pintura
Se já não é fácil encontrar vagas para estacionar, pior ainda é deixar o automóvel parado, sob o sol, por longos períodos. Além de danificar o verniz da pintura e comprometer o brilho externo, o calor diminuirá o tempo útil de diversos materiais presentes no interior do veículo, tais como couro, tecidos e plásticos. Outra mania bastante prejudicial é deixar o carro exposto ao sol durante a lavagem. A falsa impressão de que secará logo ocasionará um real assalto ao bolso de quem pensa assim. O ideal é lavar sempre à sombra e evitar os rolos automáticos por estes ocasionarem riscos à pintura.
Abençoados por Deus e punidos pela natureza? Dicas de cuidados com a pintura
Para aqueles que têm tempo e só admitem que eles mesmos dêem banho nos seus carangos, vale a seguinte indicação: use detergente neutro com a diluição adequada ou xampu próprio para veículos. A limpeza deve ser feita de cima para baixo, evitando que a sujeira da parte inferior fique grudada na esponja e, consequentemente, provoque arranhões na lataria do carro. Após lavar e enxaguar basta secar com um pano macio. Para encerar dê preferência a produtos que contenham em sua formulação carnaúba ou proteção contra os tão temidos raios UV. Por ser mais prática e fácil de aplicar alguns preferem a cera líquida. Contudo, se você pertence ao grupo dos mais econômicos e gosta de se exercitar não há contra-indicações para a utilização da cera em pasta. Apenas atente que, para aplicar o produto, são indicadas estopa, algodão de polimento ou esponja. Já para retirar, faça uso dos panos de microfibra por esses evitarem riscos. No longo prazo, o ácido dos dejetos orgânicos (seivas de árvores) e fezes dos pássaros estragam a pintura. Por isso, diante deste tipo de situação, limpe o local o mais rápido possível com água corrente e sabão neutro sem esfregar, para evitar prejuízos e futuras dores de cabeça, afinal esse um dos preços a pagar por se viver em um país tropical. Por: Michelle Sá / Fonte: O Dia

Seja parte de algo grande