Presidente da Aliança Renault-Nissan fala sobre os preços de carros no Brasil

Durante a coletiva de imprensa realizada após o encontro com a presidente Dilma Roussef no sábado (01), Carlos Ghosn, Presidente da Aliança Renault-Nissan, respondeu uma pergunta sobre o porquê dos carros brasileiros serem mais caros em relação a outros mercados. Ghosn confirmou que aqui é caro e citou fatores que poderão contribuir para reduzir os preços. Ghosn, como esperado, falou que um dos fatores que contribuem para o preço elevado dos carros é a tributação. Aliado a tributação, Ghosn disse que a indústria brasileira precisa de mais competição entre fornecedores locais para o preço diminuir. O executivo frisou que concorrência dos fornecedores da indústria nacional ainda não está num nível que permite reduzir os custos. O preço de algumas commodities no Brasil são acima do que, como montadoras, eles conseguem em outras partes do mundo. Aqui, entra novamente em pauta a tributação em cascata (em cima de fornecedores, que repassam para montadoras e no fim, os consumidores que pagam a conta). Outra tendência do mercado com o aumento do consumo é a economia de escala também aumentar, o que em tese, poderá gerar uma maior eficiência em termos de custos, ou seja, comprando em alta escala de fornecedores, o preço tende a ser menor. Sobre as margens de lucro, Ghosn falou brevemente sobre a Aliança Renault-Nissan. "As margens de lucro da Nissan do Brasil não tem nada de excepcional em comparaação à média de lucro do Grupo, e estão um pouco abaixo da média da lucratividade do Grupo", disse o executivo. Já para a Renault, Ghosn disse que está um pouco acima da média do Grupo, mas nada de significativo. "Não é uma situação onde faz tanto lucro no Brasil, não é essa situação", concluiu. Por: Fábio Trindade

Seja parte de algo grande