Nissan apresenta o Nissan LEAF e March para imprensa em SP

A Nissan começou em São Paulo nesta segunda-feira, 06 de junho, o Nissan Inova Show, um grande evento que percorrerá o Brasil e mostrará, entre as inovações e tecnologia de sua gama, outras duas grandes novidades: o Nissan LEAF e o hatch compacto March.
Nissan apresenta o Nissan LEAF e March para imprensa em SP
Numa grande estrutura montada na Marginal Tietê, ao lado do Playcenter, a Nissan mostrará também ao público os dois modelos. Para a imprensa especializada, o consultor da Nissan fez uma detalhada apresentação de todas as características do modelo.
Nissan apresenta o Nissan LEAF e March para imprensa em SP
Com o mesmo porte do Nissan Tiida, o grande diferencial do Nissan LEAF é ser 100% elétrico. A autonomia é de 160 km com apenas uma carga de bateria. Logo, depois dos detalhes técnicos (já conhecidos por quem acompanha o segmento), vários questionamentos começaram a surgir como: “Tem previsão de lançamento no Brasil?”, “A autonomia informada de 160 km prevê um trânsito pesado como o de São Paulo?˜, “O anda-e-para pode exigir mais da bateria, uma vez que o carro desliga a todo momento que para?”, manutenção, custo real da recarga entre outras dúvidas. Algumas dúvidas foram respondidas a contento, outras, de forma superficial. A primeira delas é a de que não existe a menor previsão de lançamento do Nissan LEAF no Brasil. Sobre a autonomia, o consultor explicou que foram utilizados padrões internacionais considerando o uso no trânsito urbano – no padrão de Los Angeles. Sobre o uso no trânsito pesado, a ação constante de para e anda realmente pode exigir mais do conjunto no geral: é como ficar ligando e desligando um equipamento eletrônico, dadas as devidas proporções em termos de durabilidade. Como tudo é elétrico e “consome” energia, o uso do aquecedor ou ar condicionado, além de afetar o desempenho, “rouba” carga da bateria. Uma função interessante oferecida no modelo é a possibilidade de ativar o ar-condicionado ou aquecedor do Nissan LEAF através do celular enquanto ainda está plugado na tomada. Como exemplo, o consultor cita que proprietário pode acionar o ar condicionado pela manhã (ainda plugado) enquanto toma o seu café para que no momento em que efetivamente sair com o carro, a bateria esteja em plena carga. Na apresentação, os representantes da Nissan deixaram claro que a implantação de uma solução de veículo elétrico precisa necessariamente de apoio governamental, seja através de subsídios, ou através de infra-estrutura. No Brasil, por exemplo, a legislação não permite a instalação de pontos de recarga em poste público – mediante pagamento, obviamente. Em Portugal, essa solução foi adotada pelo governo onde os donos de carros elétricos recarregam as baterias dos carros em estações instaladas em postes públicos e pagam imediatamente com o uso de cartões. Sobre a recarga das baterias, o Nissan LEAF pode ser ligado a uma tomada de 110 volts comum. Nesta situação, a recarga é completa é obtida em 20 horas com a potência média utilizada de 1,4 kW. A segunda forma é através de um recarregador fornecido pela Nissan (custo de cerca de US$ 2.000) que ligado numa tomada de 220 volts e potência de 3,3 kW, o tempo de recarga cai para 8 horas (este é o principal cenário para o modelo). Uma terceira possibilidade são as estações de carga rápida, as quais com apenas 30 minutos, carregam cerca de 80% da carga da bateria. Este dispositivo trabalha com a potência de 50 kW, sendo que o conceito é o mesmo de um posto elétrico. Como todo aparelho eletrônico que utiliza bateria, o uso em demasia da carga rápida, tende a diminuir o tempo de vida útil da bateria. Isso significa que o desenvolvimento de todo o sistema foi pensado na utilização, em grande parte, da utilização da recarga doméstica. Sobre a manutenção, o consultor aproveitou a deixa e destacou: "Com o Nissan LEAF não tem troca de oleo, de filtro de combustível, não tem correia dentada (ou corrente), não tem regulagem de válvula, não tem escapamento, não tem vibração do motor para afetar outros componentes como coxim e etc." O conceito, a tecnologia e as possibilidades são fantásticas com o carro elétrico. É uma nova visão de transporte, mas para a realidade brasileira, ainda precisa de respostas mais claras sobre os impactos nas fontes enérgiticas e o real custo de abastecimento. O desgaste e fadiga do uso diário também são questões que só tempo poderá responder. Logo mais, impressões ao dirigir o Nissan Leaf e o Nissan March.

Seja parte de algo grande