Peugeot-Citroën confirma 8.000 demissões na Europa

O Grupo PSA Peugeot-Citroën confirmou nesta manhã o fechamento da fábrica em Aulnay na França e redução de 8.000 postos de trabalho em todo o país para reduzir custos e tentar se reestruturar. O CEO da PSA, Philippe Varin, disse estar ciente da gravidade da notícia, mas com um prejuízo operacional de 700 milhões de euros nos seis primeiros meses do ano, é a única saída para a PSA se reestruturar e sobreviver. Em Aulnay é fabricado o Citroën C3, cuja produção será transferida para a fábrica de Poissy, em 2014, com a chegada da nova geração do modelo que compartilha a plataforma com o já lançado Peugeot 208. A fábrica de Aulnay emprega hoje 3.000 pessoas diretamente. Parte deles irão para as filas de desempregados, outros poderiam se aposentar mais cedo. Além desta medida de encerramento, a fábrica de Rennes irá adiar a produção e demitir 1.400 funcionários de sua força de trabalho dos atuais 5.600. A fábrica, que produz os sedãs da PSA (508 e C5), está operando muito abaixo de sua capacidade real, e tem que cortar custos fixos para torná-lo lucrativo em um mercado onde a demanda por segmento D sedan caiu muito forte. A capacidade de produção combinada de todas as plantas da PSA está sendo utilizada em apenas 76% até o momento, sendo que em 2011 foi de 86%. De acordo com estudos da indústria, operar abaixo de 85% significa trabalhar com prejuízo. A PSA também anunciou demissões de 3.600 outros pessoas não diretamente relacionadas à montagem do veículo.
Peugeot-Citroën confirma 8.000 demissões na Europa
Enquanto isso, o governo francês e os sindicatos consideram o movimento como "inaceitável", pois o grupo PSA recebeu 4 bilhões de euros sob a forma de ajuda financeira (principalmente na forma de financiamento) nos últimos anos.

Seja parte de algo grande