Brasil perde espaço em ranking automobilístico global

O Brasil é como um carro velho: anda aos solavancos. Quando, enfim, engatou uma marcha de força - entenda por destaque automotivo no cenário mundial – faltou o combustível para fazer o carro andar. Por pouco tempo comemoramos o desempenho do país frente a outros mercados e, “para nossa alegriaaaa!”, já éramos o quarto maior centro de vendas globais. Mas, foi aí que o negócio desandou. Em janeiro fomos ultrapassados pela Índia, em fevereiro, pela Alemanha, e em março, pela Grã Bretanha. Numa expressão mais exata, isto significa a terceira queda consecutiva no comércio de veículos. Agora, estamos em sétimo lugar no ranking de desempenho mundial. De acordo com a consultoria JATO Dynamics do Brasil, o país apresentou uma queda de 1,6% nas vendas de março frente ao mesmo período do ano passado.
Brasil perde espaço em ranking automobilístico global
Em relação ao número de emplacamentos de 2012 a liderança também fica com a China, com 3.980.452 emplacamentos e alta de 1,1%. Em seguida aparecem EUA (3.467.465 e alta de 13,3%), Japão (1.672.293 e alta de 47,6%), Índia (892.393 e alta de 12,7%), Alemanha (825.159 e alta de 1,3%), Brasil (772.643 e queda de 0,6%), Grã-Bretanha (625.244 e queda de 0,9%), Rússia (614.095 e alta de 18,5%), França (611.011 com queda de 19,4%) e Itália (437.415 com queda de 22,8%). Para o resultado chinês, é bom ressaltar, apenas os veículos de passeio foram levados em conta. Em relação às montadoras, a japonesa Toyota foi quem apresentou a maior variação percentual entre as líderes, com avanço de 30,6%, assegurando assim a 1ª colocação. Em seguida vieram a Volkswagen (+11,3%), Ford (-2,7%), Nissan (+19,7%), Chevrolet (+9,1%), Honda (+7,1%), Hyundai (+8,4%), Kia (+15,8%), Renault (-5,9%) e Fiat (-13,1%). Por Michelle Sá / Fontes: Revista Exame / G1

Seja parte de algo grande

Brasil perde espaço em ranking automobilístico global

Foto de: Michelle Sá