GM suspende operações no Egito por onda de violência

Devido à onda de protestos e violência no Egito, a General Motors fechou sua sede e suspendeu a produção da fábrica de veículos por tempo indefinido. Mais de 500 pessoas foram mortas na capital, Cairo na última quarta-feira, quando os combates irromperam em acampamentos de protesto ocupados por partidários do presidente deposto Mohamed Mursi. A agência AFP relata que a onda de violência desta semana eleva o número de mortos para pelo menos 638, enquanto quase 4 mil foram feridos em confrontos. Diante disso, um porta-voz da GM disse à AFP a empresa fechou seu escritório Cairo e parou a produção de veículos em sua fábrica local. "A segurança de nossos funcionários é de extrema importância para nós", afirmou a empresa através de um comunicado. "Vamos continuar a acompanhar de perto a situação." GM emprega mais de 1.400 pessoas em suas operações egípcias e produz automóveis de passageiros, caminhões leves e microônibus.

Seja parte de algo grande