Volta rápida: belo e bom de dirigir, Audi A3 Sedan deixa Sportback em xeque

Volta rápida: belo e bom de dirigir, Audi A3 Sedan deixa Sportback em xeque
"Como assim sedã do A3? Mas já não existe o A4?", me questiona um amigo quando conto que vou dirigir o novo Audi em Budapeste. É isso mesmo, pela primeira vez em três gerações, o A3 passa a ter uma derivação com traseira saliente. Motivos para o nascimento do modelo não faltam: primeiro, o A4 cresceu demais na última mudança, a ponto de deixar uma lacuna aberta na linha da marca; segundo, a rival Mercedes-Benz fez o CLA, versão sedã do Classe A; e terceiro, a China e os EUA são ávidos por modelos três volumes. No fim, a expectativa pelo novo A3 Limousine (como será chamado em alguns mercados) ficou tão grande que a Audi já prevê que ele responderá por mais da metade das vendas da gama A3 pelo mundo. E por que Budapeste para o lançamento mundial? Bem, a Audi acaba de reformar completamente a fábrica de Györ, cidade próxima da capital húngara, para a produção do A3 Sedan. O leste europeu recebe bem sedãs derivados de hatches, tanto que encontramos facilmente alguns Renault Thalia (nosso ex-Clio Sedan) e Fiat Linea no trânsito local. É da Hungria, primeiramente, que o "A3volumes" irá atender à demanda mundial, mas existem planos (bem concretos) para fazê-lo na China e também no Brasil, junto com o hatch. O marketing da Audi brasileira já trabalha com essa meta para 2014, até porque o fato de não ter produção local atrapalharia demais as vendas da marca por aqui. Mas a decisão final cabe à Volkswagen - uma vez que A3 e A3 Sedan seriam feitos ao lado do novo Golf VII, que dividem a plataforma MQB, na unidade de São José dos Pinhais (PR) - e só deve ser anunciada oficialmente nos próximos meses.
Volta rápida: belo e bom de dirigir, Audi A3 Sedan deixa Sportback em xeque
O que é? Para definir o A3 Sedan, nada melhor que começar pela traseira. Olhe-a com atenção e você não encontrará nenhum vestígio de que esse carro nasceu como hatch e teve o bumbum adaptado, como percebemos muitas vezes nessas transformações de dois para três volumes. O sedã tem linhas equilibradas e eficientes (Cx de 0,29), com um spoiler integrado à curta tampa traseira, resultando num estilo que não tirou em nada a agressividade do A3 - pelo contrário! Na visão deste que vos escreve, o Sedan tem muito mais apelo visual que a própria versão Sportback, perdida entre ser um hatch e uma perua. Destaque para as lanternas delgadas que vão se alargando conforme avançam para as extremidades da carroceria. Além de não desequilibrar o A3 em desenho, a traseira pouco acrescentou ao tamanho do carro. Com 4,46 m de comprimento (6 cm menor que um Honda Civic), o Sedan é apenas 15 cm mais longo que o Sportback e mantém o entre-eixos de 2,64 m. É bem verdade que que também não há muito ganho em espaço, a não ser pelo porta-malas de 425 litros (45 litros a mais que no Sportback e 60 litros maior que o do Sport duas portas). A tampa ainda traz os velhos braços tipo "pescoço de ganso", mas eles têm um lugar específico para se alojar, sem invadir a área das bagagens. Já o espaço destinado aos ocupantes não aumentou em relação ao Sportback, ou seja, é bom na frente e um pouco limitado para os mais altos atrás. Além disso, o sedã tem o teto 1 cm mais baixo por conta da caída da traseira rumo ao terceiro volume, diminuindo o vão para a cabeça dos passageiros.
Volta rápida: belo e bom de dirigir, Audi A3 Sedan deixa Sportback em xeque
Se o A3 Sedan está longe de oferecer o espaço do A4 (4,70 m de comprimento e 2,81 m de entre-eixos), pelo menos ele é melhor que o rival CLA nesse aspecto, principalmente no banco de trás. Mas onde esse Audi realmente está dando as cartas no segmento é no acabamento e qualidade dos materiais. Num primeiro olhar, o interior ficou até mais simples que no A3 anterior, mas isso é só uma (falsa) impressão causada pela retirada de alguns comandos - que agora estão concentrados na central de entretenimento MMI controlada por um botão giratório e visível por uma vistosa tela no centro do painel. Há também um recurso bem bacana: a parte de cima desse botão giratório é sensível ao toque, e reconhece letras e números desenhados em sua superfície. Assim fica bem mais fácil inserir um endereço no GPS, por exemplo. O vídeo abaixo dá uma ideia melhor de como funciona, além de mostrar um pouco mais do Sedan. Em carros com partida por botão, como é o caso, a chave costuma ficar perdida em algum porta-copo. Pois a Audi pensou até nisso, providenciando um local para a chave no console central. O capricho interno pode ser notado também pelo toque suave da maioria das peças, com superfícies emborrachadas ou texturizadas, além de peças metalizadas que garantem refinamento ao A3. Em resumo, nunca parece que estamos no sedã "de entrada" da marca. Outra coisa muito legal é o GPS com informações e imagens do Google Maps e do Street View, detalhismo que só foi possível graças ao sistema de internet a bordo - via chip 3G instalado no porta-luvas -, que permite também navegar por notícias e acessar o Facebook. Inexplicavelmente, porém, falta uma entrada USB no A3. Há uma entrada que requer um cabo específico da Audi para seu celular ou outro cabo para enfim ganhar a entrada USB...
Volta rápida: belo e bom de dirigir, Audi A3 Sedan deixa Sportback em xeque
Como anda? Uma das preocupações no projeto do novo A3 foi reduzir o peso. E isso valeu tanto para a nova plataforma modular MQB quanto para pormenores como o suporte da tela do sistema de entretenimento, feito de magnésio. Acabou que o A3 Sedan pesa apenas 1.235 kg na versão 1.4 TFSI (turbo e injeção direta). E mesmo com esse motor menor, o que não falta é boa vontade para andar. São saudáveis 140 cv de potência e 25,5 kgfm de torque, bem trabalhados pela transmissão S tronic de dupla embreagem e sete marchas. O resultado é uma agradável sensação de carro leve e bem disposto, com acelerações ligeiras (a Audi indica 0 a 100 km/h em 8,4 s) e bom fôlego para ultrapassagens nas estradinhas de mão dupla que enfrentamos durante o test-drive. Esse propulsor ainda traz um recurso de desligamento de dois cilindros quando em velocidade de cruzeiro, para maior economia, voltando a funcionar a plenos pulmões quando se pisa fundo. Com isso e o start-stop (que desliga o motor em paradas de semáforo), o consumo médio divulgado chega a 21,3 km/l.
Volta rápida: belo e bom de dirigir, Audi A3 Sedan deixa Sportback em xeque
O 1.4 se mostrou tão eficiente que confesso não ter sentido muita diferença quando peguei o 1.8 TFSI. É que apesar dos 180 cv de potência, o torque se mantém nos mesmos 25,5 kgfm do motor menor, ainda que esteja disponível numa faixa mais ampla - de 1.250 a 5.000 rpm rpm contra 1.500 a 3.500 rpm do 1.4. Segundo a Audi, isso se deve a uma limitação de torque que essa versão do câmbio S tronic é capaz de aguentar. Originalmente, o motor 1.8 pode gerar 28,5 kgfm máximos. Outro fator que "amarrou" o A3 Sedan avaliado foi a tração Quattro, que melhora a aderência nas curvas, mas aumenta o peso do conjunto. Vale lembrar também que nessa versão com tração integral o câmbio tem seis marchas, contra sete da versão com tração somente dianteira. Mesmo assim, o carro ganha velocidade facilmente e viaja em ritmo forte sem qualquer tipo de perturbação. A marca fala em 7,3 s de 0 a 100 km/h e máxima de 235 km/h. Apesar de achar que o A3 1.8 TFSI perdeu um pouco de ímpeto em relação ao antigo 2.0 TFSI de 200 cv, me diverti bastante a bordo do sedã nas vias húngaras. Aliás, foi uma boa prévia de como o carro vai se comportar no Brasil, pois o asfalto dos arredores de Budapeste é tão remendado quanto o brasileiro. A boa notícia é que, como esperado, o A3 Sedan se comporta tão bem quanto o hatch, ou talvez até com mais equilíbrio devido à melhor distribuição de massas proporcionada pela traseira saliente. O carro entra confiante em curvas fechadas, absorve bem as emendas do piso, freia forte e ainda exibe uma nova direção (com relação variável) que responde com rapidez, precisão e peso na medida. No limite, a frente escorrega sempre de modo previsível e de fácil controle, ainda mais nessa versão Quattro.
Volta rápida: belo e bom de dirigir, Audi A3 Sedan deixa Sportback em xeque
Outra coisa legal é poder mudar o comportamento do carro por meio do Audi Select Drive, que permite escolher entre os modos Eficiente (para economia), Auto, Conforto, Dinâmico e Individual - onde você pode ajustar a suspensão confortável em conjunto com o câmbio na opção esportiva, por exemplo. Ou seja, há sempre uma opção que "bate" com o que você deseja naquele momento, ainda mais com os amortecedores adaptativos que variam a rigidez do conjunto. Para completar, a transmissão de dupla embreagem exibe trocas bastante rápidas e permite reduções ousadas pelas borboletas no volante, ampliando o sorriso no rosto a cada tomada de curva. Quanto custa? Ainda sem divulgar valores, a Audi brasileira estima que o A3 Sedan custará entre 5% e 10% a mais que o Sportback. Isso daria cerca de R$ 100 mil para a versão 1.4 TFSI (embora a marca ainda não saiba se vai importar a futura versão de 122 cv ou a de 140 cv) e na faixa dos R$ 140 mil para a 1.8 TFSI. Com tração Quattro e todos os equipamentos, será carro para mais de R$ 150 mil. A expectativa de chegada ao Brasil é para o segundo trimestre de 2014, com a produção local devendo começar no final do ano, se confirmada.
Volta rápida: belo e bom de dirigir, Audi A3 Sedan deixa Sportback em xeque
De R$ 100 mil a R$ 150 mil, o A3 Sedan vai encontrar um monte de gente para brigar no Brasil, mas tem tudo para ficar bem posicionado no ringue. Enquanto o 1.4 TFSI pode roubar clientes de Ford Fusion e Hyundai Sonata, além de enfrentar o concorrente direto Mercedes CLA, as versões 1.8 TFSI poderão ser uma opção até ao BMW 320i. Sabendo da preferência dos brasileiros por sedãs quando o assunto chega nesta faixa de preço, uma coisa é certa: o A3 Sedan deve complicar mesmo é a vida do Sportback por aqui... Por Daniel Messeder, de Budapeste (Hungria) Fotos Divulgação e autor Viagem a convite da Audi Ficha Técnica – Audi A3 Sedan 1.8 TFSI Motor: dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.798 cm³, turbo, injeção direta e indireta, gasolina; Potência: 180 cv de 5.100 rpm a 6.200 rpm; Torque: 25,5 kgfm entre 1.250 e 5.000 rpm; Transmissão: câmbio automatizado S-Tronic de dupla embreagem e sete marchas, tração dianteira; Direção: elétrica; Suspensão: independente McPherson na dianteira e independente multibraço na traseira; Freios: discos nas quatro rodas com ABS e EBD; Peso: 1.370 kg; Capacidades: porta-malas 425 litros, tanque 50 litros; Dimensões: comprimento 4.456 mm, largura 1.796 mm, altura 1.416 mm, entre-eixos 2.637 mm

Seja parte de algo grande