Carros para sempre: Ford Versailles injetava luxo na Autolatina, mas teve vida curta

Depois do primeiro lançamento conjunto Verona/Apollo, a Autolatina (associação Ford/Volkswagen) apresentava a nova dupla: VW Santana reestilizado e o seu irmão Ford Versailles. Desta vez, a Ford aplicou diversas mudanças no seu modelo para diferenciá-lo do VW - diferente do que ocorreu com o Apollo, um verdadeiro clone do Verona. Oferecido nas versões GL 1.8 e 2.0 e na top de linha  Ghia 2.0, ele utiliza a mesma mecânica da linha VW, os AP 1800 (99 cavalos na versão a álcool) e AP 2000 (125 cavalos na versão com injeção eletrônica a gasolina). Na versão Ghia, o motor 2.0 era item de série, além de ar-condicionado, direção hidráulica, vidros e retrovisores elétricos. A injeção eletrônica e câmbio automático também eram opcionais.
Carros para sempre: Ford Versailles injetava luxo na Autolatina, mas teve vida curta
Lançado apenas na configuração duas portas, o Versailles tinha para-lamas mais retilíneos, lanternas trapezoidais e colunas posteriores em preto fosco (Ghia). Além disso, os faróis e a frente seguiam o estilo Ford, inspirado no Taurus americano e no Scorpio e Sierra europeus, que não tinham grade. Por outro lado, o interior contava com volante de dois raios, painel de instrumentos diverso do Santana e bancos mais macios que no irmão VW.
Carros para sempre: Ford Versailles injetava luxo na Autolatina, mas teve vida curta
De um modo geral, o Versailles tinha a missão de ser um Ford top de linha por aqui e possuía atributos como o bom acabamento interno, mas não repetia o refinamento encontrado em seu antecessor Del Rey, além de não ser um carro tão bem resolvido como o irmão VW Santana. Em 1992, era lançada a versão quatro portas e, juntamente, a opção por freios ABS na versão top Ghia. Nesse ano, todas as versões recebiam o catalisador para atender as novas normas de emissões do Proconve.
Carros para sempre: Ford Versailles injetava luxo na Autolatina, mas teve vida curta
No mesmo ano, junto com a reestilização da VW Quantum, o Versailles também ganhava sua versão perua. Com estilo próprio, a Royale foi lançada apenas com duas portas (uma incoerência para um carro tão grande), para evitar a concorrência com a "irmã" Quantum.
Carros para sempre: Ford Versailles injetava luxo na Autolatina, mas teve vida curta
Dois anos depois, em 1994, a Royale finalmente ganhava as desejadas quatro portas - um erro do Autolatina, que foi repetido ao lançar o sedã Logus com duas portas e o hatchback Pointer com cinco. No ano de 1996, a Autolatina se dissolve, e o mercado contava com a presença de concorrentes mais modernos como os Chevrolet Vectra e Omega, além do Fiat Tempra. Nesse contexto, o Versailles e a Royalle se despedem do mercado após sua curta trajetória e poucas atualizações, sendo substituídos pelas versões sedã/perua do Ford Mondeo.
Carros para sempre: Ford Versailles injetava luxo na Autolatina, mas teve vida curta
Vale lembrar que o Versailles e a Royale eram fabricados pela Volkswagen na mesma linha de montagem do Santana e da Quantum, uma vez que possuíam mesma plataforma, permitindo assim redução de custos. A Ford por outro lado, montava o Apollo, e posteriormente Logus e Pointer, na mesma linha de montagem do Escort.

Seja parte de algo grande