Europa e Jeep fazem Fiat reduzir previsão para o primeiro trimestre

A queda nas vendas da Jeep nos EUA, devido ao fim da produção do Liberty, somada à crise na Europa fez a Fiat rever a sua previsão de faturamento para o primeiro trimestre de 2013. Para reverter isso, a fabricante italiana se concentra em cumprir sua meta anual. Foi o que disse o CEO da marca, Sergio Marchionne. "O resultado no trimestre não será dos melhores, mas mesmo assim confirmamos nossa meta anual. Entretanto, não há certeza quando a crise nas vendas europeias irá terminar", disse em Genebra, Suíça. A marca vem sentindo os efeitos do mau momento econômico daquele continente. Em 2012, a fabricante experimentou queda de mais de 700 milhões de euros (R$ 1,8 bi) nas suas marcas de maior volume. Para reverter esse cenário, Marchionne conta com o desempenho da Chrysler. Com o grupo norte-americano, a Fiat espera aumentar seu lucro comercial de 3,81 bilhões de euros (R$ 9,81 bi) para 4,5 bilhões de euros (R$ 11,59 bi). A empresa italiana, juntamente com a General Motors, a Ford e o grupo PSA, está no grupo das fabricantes que planejam cortar cerca de 30 mil postos de trabalho na Europa devido ao encolhimento do mercado automotivo na região. As vendas de carros no continente caíram pelo sexto ano consecutivo. Esse grupo de fabricantes, juntos, lideraram a queda de 10% no volume de vendas do mercado europeu em fevereiro. Para reverter o mau momento, Marchionne pretende investir em carros de segmentos superiores. São previstos SUVs da Alfa Romeo e da Jeep, além de seis novos modelos da Maserati. Além de aumentar a oferta de modelos, esses carros ajudariam a preencher o espaço vago na linha de montagem da fabricante. Sobre a Jeep, o chefão da Fiat disse que há um buraco no volume de vendas da fabricante nos EUA, "apesar da demanda crescente naquele país". A marca italiana está em conversa com bancos para comprar os 41,4% restantes da Chrysler. fonte: Automotive News

Seja parte de algo grande