Garagem CARPLACE #6: Corolla fecha teste longo bem cotado, apesar do preço

Muita coisa aconteceu durante os 30 dias de avaliação do Corolla entre nós (foram cerca de 2,5 mil km), mas invariavelmente a questão do preço surgia nas conversas da redação. Ainda mais quando chegou a versão Altis, de R$ 94 mil. Mas, exceto pela questão dos valores, a nova geração do Toyota passou pelo teste muito bem cotada. A lamentar, apenas a falta de itens como o controle de estabilidade e o teto-solar, indisponíveis mesmo na versão topo de linha. Começamos o Garagem com o Corolla pelo modelo GLi 1.8 automático, que chegou surpreendendo pela performance muito próxima a do 2.0, inclusive com aceleração mais rápida. Isso sem falar no menor consumo de combustível, especialmente quando abastecido com gasolina. Pena que a Toyota acabou com a oferta do motor 1.8 na versão intermediária XEi, pois agora com o câmbio CVT o conjunto ficou melhor que o do 2.0 na relação desempenho x consumo.
Garagem CARPLACE #6: Corolla fecha teste longo bem cotado, apesar do preço
Optar pelo propulsor menor, porém, significa ter de ficar com o Corolla GLi, de acabamento um tanto espartano para um carro de R$ 70 mil. Além dos bancos forrados com tecido de tato e aparência pobres, até o quadro de instrumentos é mais simples se comparado aos modelos 2.0. O ar-condicionado analógico tem botoes dignos de carros mais baratos, enquanto o aparelho de som também é básico. Equipamentos à parte, a mecânica do Corolla foi só elogios. "É o melhor CVT do mercado", opinou o diretor Fábio Trindade. "Nem parece CVT", complementou o editor-assistente Julio Cesar. Julio também notou uma coisa interessante sobre o câmbio na versão 1.8: quando no modo manual, mesmo em sétima marcha a rotação ficava mais alta que no modo automático, dando a entender que a transmissão adota uma relação um pouco mais curta no modo manual, para privilegiar o desempenho.
Garagem CARPLACE #6: Corolla fecha teste longo bem cotado, apesar do preço
Passando ao Altis, encontramos o mesmo conforto, melhor desempenho em retomadas (embora com pouca diferença) e uma maior quantidade de mimos: temos faróis com LED's, ajuste elétrico do banco do motorista e a central multimídia com GPS e TV Digital. A TV foi ótima companheira nesse período de Copa do Mundo, ainda que em movimento fique apenas o áudio da programação - a imagem só aparece com o carro parado e o freio de mão puxado. Já o câmbio CVT fica ainda melhor nesta versão, por trazer o modo Sport e as borboletas atrás da direção, que fazem trocas bastante rápidas. A evolução do Corolla também ficou clara no maior porte da carroceria: agora com entre-eixos de 2,70 m, os passageiros do banco de trás podem acomodar as pernas sem problemas. As bitolas mais largas e a suspensão recalibrada deixaram o sedã um pouco mais firme nas curvas, sem perder a maciez característica do modelo. E, por fim, a direção elétrica ficou mais precisa e firme em velocidades de estrada. Acredite: dirigir um Corolla passou a ser prazeroso!
Garagem CARPLACE #6: Corolla fecha teste longo bem cotado, apesar do preço
No cômputo geral, concluímos que o novo Corolla justifica, sim, o posto de modelo mais vendido da categoria - coisa que o antigo sinceramente não merecia. O novo sedã sanou os pontos fracos mais evidentes do anterior e agora oferece muito do que o consumidor deste tipo de carro espera: é bonito, espaçoso, confortável, anda bem, é bom de dirigir, não gasta muito e ainda tem fama de dar pouca manutenção. Suas maiores falhas (preço e equipamentos) não se referem ao projeto. Confira abaixo a trajetória do Corolla com a gente: GLi é despojado, mas econômico
Garagem CARPLACE #6: Corolla fecha teste longo bem cotado, apesar do preço
Versão 1.8 surpreende e acelera mais rápido que a 2.0
Garagem CARPLACE #6: Corolla fecha teste longo bem cotado, apesar do preço
Comparativo contra o Nissan Sentra O consumidor early adopter
Garagem CARPLACE #6: Corolla fecha teste longo bem cotado, apesar do preço
Corolla Altis, A3 Sedan ou Fusion? Em resumo Km inicial: 3.312 km (GLi) e 5.204 km (Altis) Km final: 4.424 km (GLi) e 6.465 km (Altis) Consumo médio GLi Cidade: 7,8 km/l (etanol) – 10,0 km/l (gasolina) Estrada: 11,9 km/l (etanol) – 15,0 km/l (gasolina) Altis Cidade: 7,0 km/l (etanol) Estrada: 10,9 km/l (etanol) Problemas apresentados: nenhum Gostamos: design, conforto, espaço, câmbio Não gostamos: design interior, preço e falta de ESP

Seja parte de algo grande