Avaliação: andamos na Honda CG Titan 2015 com freios combinados

Ao acionarmos os freios dianteiro e traseiro simultaneamente, reduzimos praticamente pela metade a distância de parada de uma moto. Parece um conceito óbvio, mas na prática estatísticas mostram que o componente que mais se desgasta numa moto no Brasil é justamente o freio traseiro. E sabe por quê? Porque para muitos ainda existe um "tabu" de que usar o freio dianteiro pode tombar o veículo, o que chega a influenciar negativamente as vendas de motos de baixa cilindrada com freio a disco no Nordeste do país. Pois a Honda dá um passo importante na resolução deste problema com a CG Titan modelo 2015. A moto tem como principal novidade o sistema de freio combinado (CBS), recurso que contribui para a segurança ativa. No modelo 2013/14 a frenagem da CG já se tornara mais amigável devido à utilização de um flexível que permite uma ligeira expansão, atenuando a possibilidade de travamento na roda dianteira. Agora com o CBS, até 30% do freio dianteiro é acionado ao se frear a roda traseira, aumentando a segurança principalmente para os iniciantes e os "deseducados".
Avaliação: andamos na Honda CG Titan 2015 com freios combinados
Ao usar somente pedal do freio de trás, a moto vai parar em menores distâncias e aquela rabeada de traseira será mais rara porque a dianteira freará de forma suave e sem mergulho. A capacidade total de frenagem não mudou, ou seja, ao acionarmos plenamente somente a manete direita teremos 100% de atuação na dianteira. A diferença é que, ao se acionar plenamente o pedal, temos 100% de atuação na traseira e 30% na dianteira. Como isto acontece? Na frente existem três pistões atuando na pinça de freio, sendo que dois são acionados pelo circuito hidráulico dianteiro e o terceiro, do meio, é acionado por um segundo circuito hidráulico que é ativado ao se apertar o pedal traseiro.
Avaliação: andamos na Honda CG Titan 2015 com freios combinados
Na prática pudemos observar um leve mergulho dianteiro (cumprimento) ao acionarmos somente o pedal traseiro, além de um maior equilíbrio ao frearmos os dois com vontade. Nas curvas de um circuito de cones com velocidades entre 40 a 50 km/h, não houve desequilíbrio nem mudança da trajetória da moto quando freamos só a traseira. Ou seja, andar de CG está mais seguro. O CBS que passa a equipar a Titan é diferente do presente nas scooters da marca (Lead e PCX) por combinar o funcionamento hidráulico e mecânico do sistema de frenagem. Com a novidade, a Honda do Brasil passa a ter primeira motocicleta de baixa cilindrada do mundo equipada com freios combinados. A tecnologia está disponível nas versões ESD e EX.
Avaliação: andamos na Honda CG Titan 2015 com freios combinados
A CG 150 Titan CBS é oferecida nas cores preta (ESD), vermelha com a tampa lateral branca (ESD e EX) e tricolor (EX), com preços sugeridos de R$ 7.680 para a versão ESD e R$ 8.180 para a EX. Trata-se de acréscimo de apenas R$ 180 em relação aos modelos com freios simples, um aumento plenamente justificado pela maior segurança. Pelo que apuramos, o recurso deverá equipar em breve também as versões mais simples (e baratas) da CG. Por Eduardo Silveira, de Indaiatuba (SP) Fotos Divulgação e autor

Seja parte de algo grande

Avaliação: andamos na Honda CG Titan 2015 com freios combinados

Foto de: Redação