Pesquisa: jovens são os que mais causam acidentes graves na madrugada

Um estudo realizado pela Liberty Seguros apontou que a maior parte dos acidentes graves na madrugada é causada por jovens motoristas entre 18 e 25 anos. E os acidentes que acontecem no período são mais graves e a maior parte resulta em Indenização Integral do automóvel. A pesquisa foi feita com base em 144.417 mil acidentes de carros no país, entre agosto de 2013 e julho de 2014. Faixa Etária Dos 144.417 mil acidentes analisados, 9.319 foram provocados por jovens de 18 a 25 anos: 10,8% aconteceram na madrugada, 24,6% pela manhã, 31,6% à noite, 32,9% no período da tarde. Na madrugada, embora seja menor a frequência de acidentes em relação aos demais horários do dia, são mais violentos. Tanto que 13,5% dos 9.319 acidentes com jovens na madrugada resultaram em Indenização Integral do veículo. Outros 82,7% tiveram perda parcial e 3,8% sofreram roubo ou furto. Já no grupo de motoristas com idade entre 26 e 35 anos foram registrados 23.134 colisões. Desse total, 7,0% aconteceram na madrugada e 11,2% resultaram em Indenização Integral.
Pesquisa: jovens são os que mais causam acidentes graves na madrugada
Severidade dos acidentes O estudo mostra também que a severidade e o índice das colisões caem de acordo com o aumento da faixa etária do condutor. Os condutores de 36 e 45 anos responderam por 21.817 acidentes. Do total, apenas 5,1% ocorreram na madrugada e 10,1% resultaram na indenização integral do veículo. Outra faixa etária analisada no estudo da Liberty Seguros é a de 46 a 55 anos. Esses se envolveram em 17.917 das colisões: 4,9% na madrugada e 9,5% sofreram Indenização Integral. Já aqueles com idade acima de 55 anos estiveram em 18.867 ocorrências. Com 3,4% ocorridos entre meia-noite e seis da manhã, resultando em 8,1% de indenização integral do automóvel, de acordo com o levantamento. Gravidades dos acidentes por período O levantamento mapeou também os horários mais frequentes dos acidentes e as suas respectivas consequências. Das 144.417 mil ocorrências analisadas, 88,2% resultaram em perda parcial, 7,9% em Indenização Integral e 4,0% em roubo ou furto. Na madrugada, embora o número de acidentes tenha sido menor, foi seguido de maior severidade. Do total de 6.673 casos no período, 24,9% resultaram em Indenização Integral do veículo. Já no período da manhã foram 7,0% de Indenização Integral dos 42.014 casos. À noite, por sua vez, foram 8,1% dos 39.560 acidentes. E no período da tarde foram computadas 56.170 colisões, sendo que 6,2% delas também resultaram em Indenização Integral. Frequência por região A pesquisa de acidentes de trânsito analisou também as regiões do país que registraram o maior número de acidentes com base na amostra. Dos 144.417 casos, 58.249 (40,33%) aconteceram no Sudeste e 86,41% resultaram em perda parcial e 7,99% em Indenização Integral. No Sul foram 49.707 (34,42%) ocorrências: 89,71% sofreram danos parciais e 7,62% Indenização integral. No Nordeste por sua vez foram 19.664 casos (13,61%): 87,49% com perda parcial e 8,71% em Indenização Integral. No Centro-Oeste, outra região analisada, dos 12.420 (8,60%) acidentes, 90,56% registraram perda parcial e 7,01% em Indenização Integral do veículo. Por fim, no Norte foram 4.377 (3,03%) casos: 91,01% com perda parcial e 7,15% com Indenização Integral do automóvel.

Seja parte de algo grande