Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado

Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
Imagem não é tudo, caro leitor, mesmo em se tratando de um ícone de design como o MINI Cooper. Olhando assim, por fotos, a nova geração do hatch parece apenas uma versão atualizada do modelo anterior. Agora observe mais de perto. O carro está maior e com mais presença. Visto de frente ou de traseira, o novo conjunto ótico com LED's confere uma modernidade que o anterior não tinha. É na parte mecânica, no entanto, que estão as mudanças mais cruciais do inglesinho: o Cooper estreia a nova plataforma para carros de tração dianteira do Grupo BMW, além de motores de três cilindros. Fora isso, melhorias como suspensão adaptativa, três modos de condução e um interior mais amigável fazem parte do pacote. Acelere com a gente a novidade. O que é? Quem vê o MINI por fora pode admirar o design retrô com toques futuristas, mas a real experiência sobre o Cooper só pode ser contada por quem o dirige. A melhor notícia para os fãs do modelo é que o conceito "Go-Kart-Feeling" foi mantido. O Cooper continua um brinquedinho delicioso para se divertir, como veremos a seguir. Só que agora o pequeno britânico está mais maduro: as medidas foram ampliadas em 98 mm no comprimento, 44 mm na largura, 7 mm na altura e 28 mm na distância entre-eixos. Ele continua sendo um hatch compacto (o banco de trás ainda é um pouco justo para adultos), mas a cabine está sensivelmente mais espaçosa. E o porta-malas, que era de apenas 150 litros, passou a 211 litros e ainda pode ser modulado com o assoalho que também serve de prateleira.
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
Externamente, o grande destaque fica para o anel de LED em volta dos faróis (Cooper S), além da grade que "salta" da carroceria. A lateral se parece muito com a anterior, assim como a junção do capô com as colunas dianteiras. Atrás, as lanternas maiores e mais brilhantes, também com LED's na versão S, dominam a visão. É na cabine, no entanto, que estão as melhores novidades. E elas já começam pelo banco do motorista, mais confortável e com maior possibilidade de ajuste. A altura, por exemplo, pode variar em 28 mm - indo de colada no assoalho, como gostam os "kartistas", até a altinha, preferida das mulheres. O novo quadro de instrumentos finalmente passou a ter o velocímetro bem à frente do motorista (antes era no centro), trazendo o conta-giros à esquerda em formato meia lua. A versão mais cara tem até head-up display, que reproduz a velocidade numa telinha acrílica que "brota" do painel.
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
No centro do painel está o sistema multimídia, com tela que pode chegar a 8,8 polegadas e ter navegação por GPS - de série na versão S Top e opcional na S Exclusive. Logo atrás do câmbio, o comando giratório para controlar a central traz, na versão S Top, a parte superior sensível ao toque, de forma que você pode escrever letras e números que ele reconhece - como em alguns Audi. Também próximo da alavanca de câmbio está o seletor do modo de condução, que permite optar pelo intermediário Mid (padrão ao ligar o carro), Green (econômico) e Sport (para acelerar).
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
A ergonomia também está melhor de um modo geral, com comandos mais à mão. Os botões dos vidros elétricos, antes no console, agora estão nas portas. E as borboletas para as trocas manuais de marcha agora têm função individual - a da direita para aumentar e da esquerda para diminuir, bem melhor que a antiga com as duas possibilidades em cada aleta. O acabamento também ganhou refinamento, com componentes de maior qualidade ao toque e painel com a parte superior emborrachada. Legal foi terem mantido as teclinhas tipo aviação para os comandos centrais do painel, incluindo até o botão de partida (apertado para baixo).
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
Entre os motores, tivemos dois exemplos de downsizing e um de upsizing: o antigo 1.6 quatro cilindros aspirado deu lugar a duas unidades de três cilindros com turbo de duplo fluxo, uma 1.2 litro com 102 cv e 18,4 kgfm de torque (exclusivo de versão One, que terá câmbio manual de seis marchas) e uma 1.5 de 136 cv e 22,4 kgfm para o Cooper - esta sempre acoplada ao câmbio automático Steptronic de seis marchas. Já o Cooper S deixou de lado o 1.6 turbo pelo novo 2.0 com turbo de duplo fluxo, que gera 192 cv e 28,6 kgfm, também com a transmissão automática de seis velocidades. Todos os motores trazem injeção direta, comando variável de válvulas Duplo Vanos e o sistema start-stop, que desliga o propulsor em paradas de semáforo para economizar.
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
Como anda? O local escolhido pela MINI para test-drive do modelo não poderia ser melhor: o circuito da Fazenda Capuava, no interior paulista, conhecido por suas curvinhas travadas em descidas e subidas. Começo pelo Cooper 1.5. Embora tenha bancos de tecido, acomoda muito bem o corpo e a posição de dirigir é na medida para quem curte acelerar. Faltam as borboletas na direção, mas OK, vamos fazendo as trocas manuais pela própria alavanca. Dada a partida, nenhum sintoma de vibração pela "falta" de um cilindro - é o melhor três cilindros que já andei nesse aspecto. O ronco também não parece de motor pequeno, embora seja discreto.
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
A primeira volta é dada no modo Mid, com ajuste intermediário de resposta de motor, câmbio, direção e amortecimento. O Cooper manteve a direção bastante rápida e a dianteira esperta nas mudanças de direção - o tal "Go-Kart-Feeling" -, mas agora despeja bem mais torque desde baixos giros - os 22,4 kgfm são entregues numa faixa que vai de 1.250 a 4.000 rpm. É evidente como o hatch ganha velocidade mais facilmente, enquanto o motor 1.5 turbo sobe de giro com mais vontade que o antigo 1.6 aspirado. E as trocas do câmbio são rápidas mesmo no modo automático. No conjunto, o Cooper já é suficiente para uma condução animada. Duvida? Pois a MINI indica aceleração de 0 a 100 km/h em 7,8 s e máxima de 210 km/h.
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
Passando ao modo Sport, é sensível o enrijecimento da direção e da suspensão - os amortecedores têm seu curso diminuído. A direção, aliás, é bastante sincera ao informar o quanto de aderência ainda existe nos pneus. O Cooper é contido nas transferências de peso da carroceria, como em frenagens fortes, e aderna pouco para os lados nas tomadas de curva. No limite, a tendência é sempre esparramar a dianteira, mas de forma previsível e controlada - além de ser logo amenizada pelo ESP, de série em todo MINI. Na última volta, o modo Green deixa o giro do motorlá embaixo com as trocas de marcha feitas mais cedo, enquanto a suspensão ganha uma suavidade em piso irregular jamais vista num MINI.
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
Foi esta faceta confortável, por sinal, que mais me surpreendeu quando passei para o Cooper S. A versão antiga era uma "tábua", a ponto de ficar inviável para usar diariamente numa cidade esburacada como São Paulo. Pois o novo resolve esse problema ao adotar os amortecedores adaptativos, que ampliam o conforto sem prejuízo à estabilidade - no modo Sport o carro continua bem firme. Interessante também que, apesar do torque bem maior do motor 2.0 turbo comparado ao antigo 1.6 turbo, o novo MINI diminuiu bastante o famoso "torque steer", quando a direção puxa para os lados sob aceleração forte. E pisando fundo, o Cooper S está mais rápido do que nunca: 0 a 100 km/h em 6,7 s e 233 km/h de máxima. A direção direta é uma beleza para atacar as curvas, exigindo pouco movimento de volante, enquanto o câmbio pode ser controlado pelas borboletas atrás da direção. O sistema funciona muito bem, mesmo quando exigido em reduções mais radicais, como uma segunda marcha com giro alto. Na pista, o Cooper S se revela ainda mais grudado ao solo com suas rodas aro 17 (ajudam também as bitolas 42 mm mais largas na frente e 34 mm atrás). Passado o limite da aderência, porém, o S parece sair de frente de forma mais acentuada que o modelo antigo - talvez pelo maior torque lixando os pneus, além do entre-eixos mais longo. Mas o fato é que os VW Golf GTI e Fusca passam a ter um belíssimo rival entre os hot hatches!
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
Quanto custa? Golf GTI é concorrente? Sem dúvidas. Atenta à demanda pelo Cooper S, que responde por 70% das vendas do MINI hatch, a marca desmembrou a oferta dele em duas versões: a Exclusive, de R$ 107.950 (que tem como opcionais o câmbio com borboletas e o GPS integrado ao sistema multimídia), e a Top, de R$ 124.950 - valor que inclui a central com tela de 8,8" e sistema de som Harman/Kardon, faróis de LED's com faixo alto automático (abaixa quando vem carro no sentido oposto) e até o controlador de velocidade ativo, que monitora a distância para o carro da frente.
Volta rápida: novo MINI Cooper, o kart britânico está mais refinado
Já o Cooper 1.5 sai por R$ 89.950, valor que o deixa competitivo diante do Audi A1, que tem motor 1.4 TFSI de 122 cv. Já vem com ar digital de duas zonas, seis airbags, rodas de liga aro 16", três modos de condução, suspensão adaptativa e sistema de som premium. Ansioso pelo MINI mais barato? Pois será preciso esperar até novembro, quando chega o One 1.2 turbo. Além de trazer o preço para a faixa dos R$ 70 mil (estimado), o modelo ainda promete consumo na casa dos 20 km/l e pode se posicionar entre os carros mais econômicos à venda no país. Por Daniel Messeder, de Indaiatuba (SP) Fotos Divulgação e autor Ficha técnica - MINI Cooper Motor: dianteiro, transversal, três cilindros, 1.499 cm3, 12 válvulas, duplo comando variável, injeção direta e turbo de duplo fluxo; Potência: 136 cv a 6.000 rpm; Torque: 22,4 kgfm de 1.250 a 4.500 rpm; Transmissão: câmbio automático de seis marchas, tração dianteira; Direção: elétrica; Suspensão: Independente Mac Pherson na dianteira e multilink na traseira; Freios: discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS; Rodas: aro 16" com pneus 195/55 R16; Peso: 1.115 kg; Porta-malas: 211 litros; Dimensões: comprimento 3.821 mm, largura 1.727 mm, altura 1.414 mm, entreeixos 2.495 mm; Ficha técnica - MINI Cooper S Motor: dianteiro, transversal, quatro cilindros, 1.998 cm3, 16 válvulas, duplo comando variável, injeção direta e turbo de duplo fluxo; Potência: 192 cv a 6.000 rpm; Torque: 28,6 kgfm de 1.250 a 4.700 rpm; Transmissão: câmbio automático de seis marchas, tração dianteira; Direção: elétrica; Suspensão: Independente Mac Pherson na dianteira e multilink na traseira; Freios: discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS; Rodas: aro 17" com pneus 205/45 R17; Peso: 1.175 kg; Porta-malas: 211 litros; Dimensões: comprimento 3.850 mm, largura 1.727 mm, altura 1.414 mm, entreeixos 2.495 mm; Galeria: MINI Cooper/Cooper S  

Seja parte de algo grande