Brasil e Argentina assinam novo acordo automotivo

Nesta semana, os governos do Brasil e da Argentina assinaram em Buenos Aires, a prorrogação do Acordo sobre a Política Automotiva Comum de 1º de julho de 2014 a 30 de junho de 2015. A prorrogação do acordo determina a retomada do sistema "flex" na proporção de 1,5, ou seja, para cada US$ 1,5 exportado, o Brasil tem que importar US$ 1. Se passar desta proporção, a operação é taxada com 35%. "O fato de o documento ter sido chancelado pelas presidentas Dilma Rousseff e Cristina Kirchner garante força política e é um passo importante para o setor dos dois países. Com isso, Brasil e Argentina agora figuraram entre os principais produtores com mercados fortes e laços estratégicos. Este é mais um passo para uma medida mais ambiciosa a partir de 2015", afirmou Mauro Borges. O acordo prevê ainda que se prepare uma política industrial comum para o setor de autopeças, aplicação de normas técnicas comuns e elevação dos níveis de segurança dos veículos produzidos nos dois países.
Brasil e Argentina assinam novo acordo automotivo
Ainda ficou definido que os setores produtivos (Anfavea e Sindipeças do lado brasileiro e Adefa, Afac e ADIMRA do lado argentino) comprometem-se a manter participação mínima nos respectivos mercados de veículos nas seguintes proporções: 11% de automóveis argentinos no Brasil e 44,3% de brasileiros na Argentina.

Seja parte de algo grande