Porsche: funcionários aceitam redução de salário para fabricar Mission E

No que depender dos funcionários da fábrica da Porsche em Stuttgart-Zuffenhausen, na Alemanha, a produção em série do elétrico Mission E (programada para o fim desta década) está mais do que assegurada. Conforme antecipa reportagem publicada pela revista Automobilwoche, os trabalhadores da planta entraram em acordo com a fabricante e devem receber um salário menor que o previsto para o período 2016-2025 como forma de garantir o lançamento do modelo.
Porsche: funcionários aceitam redução de salário para fabricar Mission E
Ainda segundo a publicação, a redução não será direta e deve incidir, na prática, sobre os aumentos salariais programados para os próximos nove anos. Além disso, a jornada semanal de trabalho subirá de 34 para 35 horas - tudo como forma de assegurar a produção do elétrico, considerado uma grande aposta da Porsche. Ao todo, o carro consumirá mais de 1 bilhão de euros (cerca de R$ 4,2 bilhões) para ser produzido e deve gerar 1 mil novos empregos.
Porsche: funcionários aceitam redução de salário para fabricar Mission E
Com previsão de chegada ao mercado para o fim da década, o Mission E tem ao todo 600 cavalos de potência fornecidos por dois motores elétricos. A cavalaria é despejada nas quatro rodas por um sistema de tração integral reforçado e garante aceleração de 0 a 100 km/h em apenas 3,5 segundos – 12 segundos se o motorista pisar até os 200 km/h, explica a Porsche. A bateria garante autonomia de 500 km e poder ter 80% da carga preenchida em apenas 15 minutos.

Seja parte de algo grande

Porsche: funcionários aceitam redução de salário para fabricar Mission E

Foto de: Dyogo Fagundes