Avaliação: Honda NC 750X reforça lado racional da antiga 700

Após as primeiras impressões na época do lançamento, em fevereiro último, agora chegou a hora de avaliarmos mais a fundo a nova Honda NC 750X , modelo que substituiu a NC 700X. Mas antes de rodar por aí, vamos retomar o que mudou. Com alterações focadas no conforto, na segurança e no controle de emissões, a motocicleta teve no motor sua principal novidade: aumento de cilindrada de 670 para 745 cm³, do torque de 6,4 para 6,94 kgfm e da potência de 52,5 para 54,8 cv a 6250 rpm - a rotação de corte do motor foi estendida em 400 giros estando atualmente próxima das 7.000 rpm. Sua vibração foi reduzida com a adição de um segundo eixo com contra pesos e seu escapamento foi aprimorado visando a 2ª fase do PROMOT 4 (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos) prevista para 2016. Esteticamente, o chassi e o motor tiveram a pintura escurecida, o tecido dos bancos foi substituído por um de maior aderência e, funcionalmente, o painel de instrumentos totalmente digital agora vem com um útil indicador de marchas e (finalmente) um computador de bordo com consumo médio e instantâneo. As cores para 2015 são branca perolizada e preta.
Avaliação: Honda NC 750X reforça lado racional da antiga 700
Com porta objetos típico de scooter (mas no lugar do tanque), postura de trail e aparência de street, a NC tem a proposta de oferecer praticidade no uso diário e ser companheira de passeios ou viagem nos fins-de-semana. A 750 mantém o tanque de combustível situado embaixo do banco do garupa, o que exige abri-lo para abastecer, mas já existem no mercado (desde a 700) acessórios como bauletos e malas laterais que não atrapalham o acesso nem substituem as alças do passageiro. Um dos roteiros que escolhi para avaliá-la foi a Estrada dos Romeiros, que liga o município de Santana do Parnaíba a Itu, na região metropolitana de Sorocaba (SP). Com a motocicleta parada tenho um bom posicionamento (tenho 1,69 m de altura) e os retrovisores permitem ampla visibilidade. O painel está em correto ângulo de visão é de fácil leitura, enquanto os comandos são ergonômicos - cabe apenas a familiarização com setas e buzina invertidas e o lampejo do farol alto. Em movimento fico ligeiramente inclinado à frente e com os pés para trás, o que incomodou quando, com garupa, não consegui mantê-los no meio da pedaleira (pois o pé do garupa "invade" o espaço do pé do piloto). Tirando esse incômodo, a passageira se sentiu confortável e firme devido à diferença de altura entre os bancos, além de deixar as pernas pouco dobradas e ter as alças com bom tamanho e “pegada”.
Avaliação: Honda NC 750X reforça lado racional da antiga 700
Na cidade a NC é fácil de ser conduzida e, apesar das suas dimensões, é rápida sem assustar pela sua aceleração suave. O ronco do motor é agradável, o câmbio é macio, de engates fáceis, mas depois de algum tempo rodando sentimos dificuldades de colocar no ponto morto - só entrava dando algum giro no motor. Em segunda marcha, num trecho plano, andei sem acelerá-la e não houve "trancos". A suspensão é firme para quem espera uma trail, mas trabalha bem nas irregularidades do asfalto. O freio dianteiro tem boa resposta (apesar do comando pesado), mas o traseiro deixa a desejar. Precisei me acostumar a inverter a dosagem, ser suave na frente e apertar forte o de trás - lembrando que o modelo avaliado tinha ABS, que não deixa as rodas travarem. Ao acessar uma via expressa, passei a trocar as marchas pelo "ouvido", mas depois observei que as mudanças aconteciam entre 4.500 e 5.000 rpm e que, assim, a NC te leva de forma contínua à velocidade desejada sem esforço. Na autoestrada ela mostrou fôlego suficiente para uma pilotagem segura e silenciosa, alternando entre 5ª e 6ª marcha, por ser a última bastante longa. Mas, apesar de ser uma 750, a NC não empolga. Há pouca diferença de resposta em relação à antiga 700, valendo principalmente pelo fato de o motor de agora ser um pouco mais girador. Antes era muito fácil o bicilíndrico "cortar" no meio de uma ultrapassagem, o que não acontece tão fácil na 750.
Avaliação: Honda NC 750X reforça lado racional da antiga 700
Já na estrada dos Romeiros, bastante sinuosa, percebi seu bom comportamento nas curvas, se valendo das suspensões firmes. Dentro do meu limite, mantive em alguns trechos a 3ª marcha cheia antes da frenagem, mas contornei e saí das curvas na mesma marcha com segurança. Nas de menor velocidade o freio motor não ajudou, e foi preciso segurar nos freios. Após 196 km rodados com garupa, registramos a boa média de consumo de 25,8 km/ l. Andando sozinho e sendo suave com o acelerador, dá pra conseguir até mais do que isso. Sem dúvida a NC 750 é uma moto versátil, prática no dia-a-dia, apta para viagens e com certa interrogação para trilhas, como são os automóveis crossover. A melhor notícia é que, em relação à antiga 750, ela só ganhou, só melhorou, não tem como dizer “nisso aqui eu preferia a antiga”. Talvez apenas no preço, que atualmente está em R$ 32.165 (Standard) e R$ 34.560 (ABS) pela tabela, porém estão sendo praticados R$ 30.600 e R$ 32.800, respectivamente, em revendas da capital paulista. Com outras boas motos nesta faixa de preço, como a BMW G 650 GS e a Kawasaki Versys 650, que acabou de ser renovada, vale um test-ride antes de fechar negócio.
Avaliação: Honda NC 750X reforça lado racional da antiga 700
Por Eduardo Silveira Fotos: autor e divulgação

Ficha técnica – Honda NC 750X

Motor: dois cilindros em linha, 8 válvulas, 745 cm3, injeção eletrônica, comando simples no cabeçote, refrigeração líquida; gasolina Potência: 54,8 cv a 6.250 rpm; Torque: 6,94 kgfm a 4.750 rpm; Transmissão: câmbio de seis marchas, transmissão por corrente; Quadro: estrutura tubular de aço; Suspensão: garfo telescópico na dianteira (153,5 mm de curso) e monoamortecedor regulável na pré-carga traseira (150 mm de curso); Freios: disco simples na dianteira (320 mm) e na traseira (240 mm), com ABS opcional; Peso: 209 kg (com ABS);Capacidades: tanque 14,1 litros; Dimensões: comprimento 2.209 mm, largura 831 mm, altura 1.284 mm, altura do assento 831 mm, entre-eixos 1.538 mm Galeria de fotos: 

Seja parte de algo grande