Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos

Quando a primeira geração do Hyundai Azera chegou ao Brasil, rapidamente se tornou sucesso de vendas. Com preço agressivo para seu porte e refinamento, trazia debaixo do capô um motorzão V6 e uma lista de itens de série que deixava muito carro alemão com inveja. Hoje o mundo é um pouco diferente. Eficiência energética é a nova regra do mercado, o que fez o segmento ser dominado por motores 4-cilindros turbinados. E o comprador de um carro deste patamar está muito mais exigente, até porque os preços subiram bastante...
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Mesmo com esta mudança de cenário, ainda há espaço para quem gosta de um veículo impulsionado por um motorzão V6, mesmo que isso pese no bolso na hora de abastecer. O Azera 2015 é um dos poucos sobreviventes dessa era das “barcas”, assim como o Honda Accord e Subaru Legacy. Com o sedã coreano em nossa garagem, tivemos a oportunidade de explorar esse lado, digamos, mais generoso. A começar pelas dimensões, o Azera é um sedã com quase cinco metros de comprimento (4.920 mm, para ser exato). A distância entre-eixos também é longa: 2.845 mm. Some também a largura de 1.860 mm e a altura de 1.470 mm. O resultado é um veículo imponente, de porte avantajado e com amplo espaço interno.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
O estilo de linhas fluídas e diversos recortes, embora muitos achem que pode cansar rápido, ainda agrada. As leves mudanças visuais que recebeu recentemente foram suficientes para dar um ar mais rejuvenescido ao Azera, principalmente na dianteira. Ali, a grade muda um pouco enquanto o para-choque traz novo desenho na parte inferior, assim como os novos acabamentos cromados que acomodam os faróis de neblina. Na traseira, o para-choque traseiro recebe novo acabamento na base inferior e desenho inédito das saídas de escapamento.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Nas laterais, olhando atentamente, você verá que as rodas têm desenho mais moderno com acabamento interno levemente escurecido. Apesar de sutis, as mudanças deixaram o Azera 10 milímetros maior no comprimento.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Na parte interna, o sedã coreano também tem novidades. O painel central foi renovado com a introdução de novos comandos de aquecimento e ar-condicionado. Também é nova a tela do sistema multimídia e navegação GPS, agora com 8 polegadas e sensível ao toque, com rádio integrado e leitor de CD, MP3, GPS, DVD e conexão Bluetooth.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Entre os equipamentos de série estão com nove airbags (incluindo bolsas laterais para os ocupantes traseiros e de joelho para o motorista), ar-condicionado digital com duas zonas e saídas para o banco traseiro, comando de áudio e telefonia integrados ao volante, faróis de xenônio, rodas de liga leve aro 18", teto solar panorâmico, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro com câmera de ré, piloto automático, faróis de xenônio com limpador, sensores de luminosidade e chuva, bancos dianteiros e volante com aquecimento, regulagem elétrica e duas memórias para o banco do motorista, cortina manual nos vidros laterais traseiros e cortina automática retrátil no vidro traseiro, além de retrovisor interno eletrocrômico e retrovisores externos elétricos com desembaçador.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Em relação ao conjunto mecânico, o Azera mantém o motor 3.0 DOHC V6 (Lambda II) de 24 válvulas que entrega potência de 250 cv a 6.400 rpm e torque de 28,8 kgfm a 4.700 rpm. Com construção totalmente em alumínio, este propulsor possui válvulas com dupla variação contínua de abertura (Dual Continuously Variable Valve Timing - D-CVVT) para uma distribuição mais ampla de torque. O sistema de admissão variável, com três estágios, também contribui para uma curva de potência mais ampla, beneficiando a aceleração e o desempenho nas ultrapassagens.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Já a transmissão é automática com seis marchas, projetada e fabricada pela própria Hyundai. Embora o conjunto não seja a última palavra em eficiência energética, traz soluções para reduzir o consumo. Uma delas é o modo econômico ativo (Active Eco Mode) de funcionamento, que modifica o gerenciamento do motor e da transmissão para melhorar a economia, que segundo a Hyundai pode chegar a até 5% em condições normais de uso.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Ao tomar o assento, logo se percebe que o espaço para motorista e passageiro dianteiro é abundante. Quem vai atrás também viaja com muito conforto, pois há espaço de sobra para as pernas. De cara, acho o tamanho do volante um pouco exagerado, mas logo me acostumo. O ajuste é feito eletricamente através de um botão na coluna. Já a regulagem dos bancos é feita por meio de botões nas portas, no mesmo formato, que facilitam o ajuste da parte desejada (encosto de cabeça, costas, altura e inclinação próxima do joelho).
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Com ignição feita por botão, basta liberar o freio de estacionamento (também por meio de botão no console central) para iniciar a condução. Rodando na cidade, não demora muito para notarmos o jeitão "barca" do Azera. A suspensão é macia e passa tranquila sobre as irregularidades do piso, mas cobra o seu preço ao deixar a carroceria embicar em cada frenagem. Não precisa acelerar muito para notar a frente pesada, o que exige um pouco mais do pedal de freio para estancar os 1.581 kg do Azera completamente. Já as trocas de marchas agradam pela suavidade.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Mas lugar de motor V6 é na estrada. Quem curte um motorzão seis cilindros aspirado conhece bem o ronco dos cilindros enchendo quando se pisa fundo no acelerador. Basta exigir um pouco mais do pedal da direita para que o Azera ganhe velocidade de forma rápida e sem esforço. Segundo a Hyundai, é preciso apenas de 8,7 segundos para ir de 0 a 100 km/h, o que não deixa de ser uma marca interessante. A sensação é de que o carro desliza suavemente pelo asfalto, com baixíssimo nível de ruído. As curvas podem ser feitas em velocidades mais arrojadas, embora a carroceria incline mais do que o esperado. Para evitar que algo saia do controle estão presentes os sistemas de controle de tração (TCS), de estabilidade (ESP), além do auxílio à frenagem de emergência (BAS).
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Completo, V6, espaçoso, imponente e com muitos itens de série. Embora os adjetivos sejam muitos, há algumas ressalvas. Diferente dos concorrentes, em especial os alemães, a condução do Azera não deixa um sabor definido. Não há uma característica marcante como conseguem BMW e Mercedes, por exemplo. Falta um pouco de tempero ao volante, algo que talvez seja reflexo da direção anestesiada. Até mesmo o formato dos bancos, liberais demais, não permitem extrair uma identidade mais precisa. Você sabe exatamente quando está conduzindo um BMW, um Audi, um Mercedes. Cada um tem um gosto; já o sedã da Hyundai é uma mistura de tudo. Outro ponto que joga contra o sedã coreano é sem dúvida o consumo de combustível. Não tem como um motor V6 brigar contra um quatro cilindros menor e turbinado. Isso sem falar que alguns concorrentes, como o novo Volkswagen Passat, chega com transmissão de dupla embreagem que acaba resultando em maior eficiência e desempenho. Por falar em eficiência, durante nossa convivência com o Azera, o consumo na cidade ficou na casa dos 6,9 km/litro, enquanto a média na estrada foi de 11,8 km/litro.
Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos
Tabelado R$ 157.990, reflexo da alta tributação para carros importados somada ao dólar a R$ 4, o Azera passa a figurar numa faixa de valor que o coloca entre muitos concorrentes. A começar pelo Ford Fusion 2.0 Turbo, passando pelos novos VW Passat e Subaru Legacy, além dos BMW Série 3, Mercedes Classe C e Audi A4. Como vantagens, oferece o amplo espaço interno, rodar extremamente suave, uma lista de itens de série bem recheada e o motor 3.0 V6. Para quem gosta de motorzão aspirado, o Azera V6 é um dos últimos dos moicanos, pois no futuro ele não terá como escapar de um motor menor e turbinado para sobreviver. Texto e fotos: Fábio Trindade

Ficha Técnica: Hyundai Azera 3.0 V6

Motor: dianteiro, transversal, seis cilindros em V, 24 válvulas, comando de válvulas variável no escape e admissão, injeção MPI, 2.999 cm3, gasolina; Potência: 250 cv a 6.400 rpm; Torque: 28,8 kgfm a 4.700 rpm; Transmissão: câmbio automático de seis marchas, tração dianteira; Direção: hidráulica; Suspensão: independente McPherson na dianteira e multilink na traseira; Freios: discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS, EBD e BAS; Rodas: aro 18″ com pneus 245/45 R18; Peso: 1.581 kg; Capacidades: porta-malas 461 litros, tanque 70 litros; Dimensões: comprimento 4.920 mm, largura 1.860 mm, altura 1.470 mm, entreeixos 2.845 mm; Peso: 1.581 kg

Fotos: Hyundai Azera 3.0 V6 2015

Seja parte de algo grande

Avaliação: Hyundai Azera 3.0 V6 é um dos últimos moicanos

Foto de: Fábio Trindade