Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport

Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport
Você já deve ter cansado de ouvir a história de que os chineses estão em processo de evolução e que em breve farão carros de padrão de qualidade equivalente aos coreanos e até aos japoneses. Na prática, porém, ainda não havíamos avaliado um chinês que não aparentasse ser um...chinês. Por isso, dirigir o novo JAC T6 foi uma agradável surpresa. Primeiro SUV da marca oferecido no Brasil, ele ainda tem como principal mote a relação custo-benefício: com preço a partir de R$ 69.990, tem porte de Hyundai ix35 a preço de EcoSport. Mas o que realmente chama a atenção é o salto evolutivo (e qualitativo) do modelo em relação aos outros carros da própria JAC.

O que é?

O novo T6 se apresenta como uma opção de SUV médio (4,47 m de comprimento, 1,84 m de largura, 1,67 m de altura e 2,64 m de entre-eixos) embolado em meio aos pequenos, como EcoSport, Honda HR-V, Jeep Renegade e Peugeot 2008. Até mesmo o grandão Renault Duster fica tímido ao lado do T6, que por tamanho competiria com ix35 e Kia Sportage - modelos na faixa dos R$ 100 mil. Claro que a intenção da JAC não é disputar volume, afinal, o sistema de cotas de importação (sem pagar o Super IPI) limita e muito os planos da empresa, que almeja emplacar 3.600 unidades do T6 até o fim do ano. É cerca de 1% de todo o mercado de SUV's no Brasil, que segundo o chefão da JAC, Sérgio Habib, deve fechar 2015 com 360 mil carros vendidos.
Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport
Em termos visuais, o T6 recorreu aos estúdios italianos para ser esculpido, mas suas formas gerais não encondem a semelhança com modelos já consagrados, como o "rival" ix35 na dianteira e o Audi Q3 na traseira. O resultado agrada e deve ser um dos argumentos de venda, apesar de faltar-lhe personalidade. É visível o maior esmero na montagem da carroceria, com gaps uniformes, e até a batida abafada das portas (que transmite qualidade) em relação aos demais carros da marca. Por dentro, o painel tem desenho moderno e, apesar de ainda recorrer ao plástico rígido, não apresenta rebarbas aparentes ou aspecto de componentes baratos. Botões e comandos internos estão mais agradáveis de tocar e ver, como por exemplo o quadro de instrumentos envolto por molduras do tipo copinho e com grafismo atraente. Melhora sensível também aparece na forração dos bancos: apesar de ser de tecido (e não couro), é bem costurada e sem partes "sobrando" no revestimento, como ainda é comum encontrar em carros chineses.
Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport
Tamanho é documento no caso do T6, e os passageiros percebem isso. Seja no banco do carona ou, especialmente no banco de trás, sobra espaço para as pernas, ombros e cabeça, de modo que quatro adultos e mais uma criança poderão viajar confortavelmente. Atrás, o SUV ainda tem o assoalho praticamente plano, o que amplia a área para os pés. O motorista também desfruta de boa acomodação, com banco confortável (embora justo) que ajusta em altura e o volante de três raios de boa pegada (aquele que parece o do Chevrolet Cruze). A direção só ajusta em altura, mas ao menos não despenca ao se liberar a trava de regulagem - ouviu, Duster? Comandos de ar-condicionado são os mesmos do J3, enquanto o pomo da alavanca de câmbio foi inspirado nos Ford. Já o porta-malas é um pouco raso, mas a largura do T6 garante boa capacidade: 610 litros.
Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport
Apresentado inicialmente com motor 2.0 turbo de 177 cv, o T6 chega ao mercado com um propulsor mais modesto: 2.0 16V flex aspirado, mas que ainda assim rende vistosos 160 cv e 20,6 kgfm de torque quando abastecido com etanol (além de dispensar o tanquinho de gasolina da partida a frio). O câmbio é sempre manual de cinco marchas, sendo a transmissão automática uma falta que a JAC espera resolver em 2016, dependendo das cotas - neste caso seria uma caixa CVT acoplada ao motor turbo. Da versão chinesa que andamos no período de testes do T6 no Brasil, também sentimos falta do controle de estabilidade, que engloba o assistente de partida em rampa - não oferecido nem como opcional.

Como anda?

O roteiro do test-drive promovido pela JAC não poderia ser mais desafiador para um SUV: a Estrada dos Romeiros, um tortuoso caminho alternativo para chegar até a cidade de Itu (SP) - praticamente nosso "quintal" de avaliações aqui no CARPLACE. A intenção óbvia era mostrar a capacidade dinâmica do T6, que, a exemplo do Renegade, investe numa suspensão traseira independente nesta faixa de preço.
Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport
Primeira boa surpresa, ainda na cidade, vem do acerto mais caprichado. De nada adianta ter direção elétrica, suspensão independente nos dois eixos e freios a disco nas quatro rodas se os sistemas não forem bem calibrados. Pois o T6 se mostra diferente dos demais chineses já ao soltarmos a embreagem, que tem peso coreto e não mais um curso morto no pedal. O câmbio ainda apresenta engates um pouco secos, mas já são mais macios que o dos outros JACs. Pegamos a estrada e a direção elétrica se mostra melhor acertada, sem ficar boba em velocidades de viagem. A 120 km/h, a sensação é de serenidade, com o conta-giros lambendo as 3,1 mil rpm em quinta marcha e um nível de ruído aceitável.
Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport
O motor 2.0 nem sobra nem falta para empurrar os 1.460 kg do T6, mas é melhor manter os giros acima das 3,5 mil rpm para deixar as respostas mais prontas - na faixa de torque máximo. Abaixo disso, há certa hesitação e, pisando mais fundo, o barulho e as vibrações na cabine passam a incomodar. Sabendo trabalhar o câmbio, de relações longas para privilegiar o conforto, o T6 anda a contento - a marca divulga 0 a 100 km/h em 12,2 segundos e máxima de 186 km/h. Já o consumo se revelou um tanto elevado: mantendo os 120 km/h constantes na estrada, com três adultos a bordo e ar-condicionado ligado, a média pelo computador de bordo ficou em 7,5 km/l, usando etanol. Conforto também foi a palavra-chave no acerto da suspensão, com cargas relaxadas de molas e amortecedores, como seria esperado num carro familiar. Apesar disso, a rolagem da carroceria é razoavelmente contida numa condução sem excessos. Mas claro que na Romeiros a gente abusou, e aí o T6 mostrou logo seus limites. Entrando mais forte nas curvas, a dianteira mergulha e a roda do lado interno da curva levanta e perde tração, deixando claro que correr não é a dele, embora a estabilidade não decepcione - a traseira é bem postada mesmo em transições rápidas. Seria melhor caso os pneus chineses 225/60 R17 fossem mais aderentes (o carro merecia sapatos melhores), e também não há justificativas para a ausência do ESP (a não ser o custo). Por outro lado, gostamos da absorção de impactos do conjunto, superando emendas de asfaltos, lombadas e buracos com bastante maciez - ainda que pese o retorno rápido da suspensão traseira ao passar por quebra-molas.

Quanto custa?

Com o T6 a JAC entra num terreno mais delicado para conquistar o consumidor brasileiro, ainda um pouco reticente quanto aos carros chineses: uma coisa é o cliente apostar num hatch de R$ 40 mil; outra é num SUV de R$ 70 mil e sem câmbio automático, por mais que o modelo seja de uma geração infinitamente melhor que os primeiros "Made in China". Apesar disso, a JAC espera que 90% das vendas do T6 se concentrem na versão topo de linha, que inclui uma completa central multimídia com tela de 7 polegadas sensível ao toque. Além dos tradicionais recursos como rádio, CD player, Bluetooth, câmera de ré e portas USB e HDMI, o aparelho fornecido pela Foxconn permite o espelhamento da tela do smartphone em seu display. No caso do sistema Android, você pode comandar as funcionalidades direto na tela da central, enquanto no iPhone é preciso mexer pelo aparelho.
Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport
Desde o modelo de entrada, de R$ 69.990, o pacote de itens de série inclui ar-condicionado, direção elétrica, rodas aro 17", conjunto elétrico, sistema de som com Bluetooth, sensor de estacionamento, lanternas de LEDs e fixação Isofix para cadeirinhas de criança no banco traseiro. O pack 1 de opcionais adiciona barras longitudinais no teto, retrovisores na cor do carro e com rebatimento elétrico, frisos laterais e maçanetas cromadas, elevando o preço para R$ 71.990. O pack 2 inclui a central multimídia, chegando a R$ 75.670 de valor total. Como nos demais JAC, a garantia é de seis anos.
Volta Rápida: Melhor JAC até agora, T6 tem porte de ix35 a preço de EcoSport
O T6 é o primeiro JAC de nova geração a chegar ao Brasil, e a diferença dele para os demais carros da marca é evidente. Isso cria um ambiente favorável não só para o modelo com também para as novidades que vêm por aí: a JAC lançará o jipinho T5, com tamanho do EcoSport e na faixa dos R$ 60 mil, ainda em dezembro deste ano; e em agosto de 2016 chega o hatch aventureiro T3, derivado do compacto que será fabricado no Brasil. Após o começo promissor no país (quem não se lembra do Faustão anunciando o J3?) e da "facada" do Super IPI para os importados (que derrubou as vendas da empresa), aos poucos a JAC vai voltando à briga. Por Daniel Messeder Fotos Divulgação

Ficha Técnica: JAC T6

Motor: dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.997 cm3, flex; Potência: 155/160 cv a 6.000 rpm; Torque: 20,0/20,6 kgfm a 3.5o0 rpm; Transmissão: manual de cinco marchas, tração dianteira; Suspensão: independente McPherson na dianteira e multilink na traseira; Freios: discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira com ABS e EBD, Rodas: liga-leve aro 17" com pneus 225/60 R17; Peso em ordem de marcha: 1.460 kg; Capacidades: porta-malas 610 litros, tanque 60 litros; Dimensões:comprimento 4.475 mm, largura 1.840 mm, altura 1.670 mm, entre-eixos 2.645 mm Galeria de fotos: JAC T6

Seja parte de algo grande