Chevrolet é banida do Irã após líder supremo criticar importações americanas

A Chevrolet está proibida de comercializar carros no Irã depois que o líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei, criticou veementemente a marca e produtos oriundos de empresas norte-americanas. Em pronunciamento publicado em seu site oficial, o mandatário questionou a venda dos automóveis no mercado local e pôs em xeque diretamente a qualidade dos veículos. Após as declarações, um acordo de importação foi rapidamente cancelado.
Chevrolet é banida do Irã após líder supremo criticar importações americanas
"Nem mesmo os americanos estão interessados ​​em comprar esses carros por causa de seu peso e alto consumo de combustível. Por que devemos importar os carros de uma fábrica americana à beira falência? Isso é muito estranho", disse Khamenei. O acordo, agora cancelado, previa a comercialização de um lote de 200 carros importados a partir da Coreia do Sul no valor total de US$ 7 milhões.
Chevrolet é banida do Irã após líder supremo criticar importações americanas
O aiatolá também aproveitou a ocasião para criticar os jovens ricos iranianos que, segundo ele, desfilam com carros caros pelas ruas da capital Teerã exibindo "má educação" e "crise de identidade". Apesar da aversão de Khamenei aos automóveis estrangeiros, é curioso notar que nenhuma crítica foi feita diretamente à Peugeot (que se prepara para produzir alguns carros localmente em 2017) e à Audi, que já anunciou planos de atuar no país.

Seja parte de algo grande

Chevrolet é banida do Irã após líder supremo criticar importações americanas

Foto de: Dyogo Fagundes