Após quase 40 anos, britânico ocupará função honorária dentro do esporte, deixando o controle da categoria ao executivo da Liberty Media

A Fórmula 1 está para viver nova era a partir de 2017 e não será somente com o novo carro, que estreia este ano. Bernie Ecclestone será substituído por Chase Carey, CEO da Liberty Media, no comando da Fórmula 1. A notícia veio em entrevista à revista alemã Auto Motor und Sport, em que o próprio Ecclestone informou que não terá mais participação nas decisões sobre a categoria. "Fui deposto hoje. É oficial. Já não sou o líder da empresa. Minha posição foi tomada por Chase Carey. Meu novo cargo é um desses termos americanos, algo como um presidente honorário. Eu tenho este título agora, mesmo que eu não saiba o que significa."

A tendência é que nesta terça-feira a mudança seja oficializada. Rumores indicam que Ross Brawn ocupará uma posição esportiva, enquanto que Sean Bratches, ex-executivo da ESPN, tomará conta da área comercial. Perguntado sobre seu futuro, Ecclestone disse: "Meus dias no escritório estarão ficando mais calmos. Talvez eu vá a um GP em algum momento no futuro. Ainda tenho muitos amigos na Fórmula 1 e ainda tenho dinheiro suficiente para me dar ao luxo de ir a uma corrida."

Ecclestone acrescentou que não espera manter seu lugar no Conselho Mundial de Automobilismo da FIA. "Duvido", disse ele. "Antes de tudo, tenho que falar com o presidente da FIA, Jean Todt, sobre isso."

Acredita-se que Donald McKenzie, chefe dos antigos acionistas majoritários da CVC, queria manter Ecclestone em um papel de maior comando. No entanto, ele foi vencido pela Liberty Media.

Leia também:

Fotos: Motorsport

Seja parte de algo grande

Bernie Ecclestone confirma que não é mais CEO da F1