As respostas de nossos leitores ao "Motor1.com pergunta" desta semana mostram como os bons motoristas sofrem no Brasil

Nesta semana, o que quisemos saber de nossos leitores no "Motor1.com pergunta" foi: "Que atitudes no trânsito te deixam louco?". Mais do que um desabafo ou um muro das lamentações, as respostas de nossos leitores mostram o quanto motoristas conscientes sofrem de verdade. E não apenas por causa de gente que parece ter comprado a CNH ou que não tem a noção mais básica de regras de trânsito, mas por falta da mais elementar civilidade, mesmo.

Se você vestir a carapuça com algum destes comportamentos, e não por distração, vacilo ou coisa parecida (ninguém é perfeito), faça um favor à sociedade: não seja esse cara. Mude. Ou ande de ônibus, de trem, de bicicleta, até de patinete... E deixe o volante em mãos corretas. Nas de gente que se importa com os demais e sabe que o espaço público deve ser dividido, compartilhado, não apropriado. Você não tem escritura da rua nem salvo-conduto para fazer barbaridade com uma máquina de mais de 1 tonelada por aí.

Como de costume, elencamos todas as sugestões. Mas, desta vez, vamos começar pelos mais votados. Bora desfiar o rosário...

1 - Não usar a seta

Atitudes que nos deixam loucos no trânsito

Campeã das atitudes escrotas no trânsito, a falta de uso do pisca provoca riscos desnecessários. Ela é a mais singela forma de comunicação ao volante. Permite que os motoristas em torno saibam suas intenções com antecedência, o que lhes dá a chance de se antecipar e de que o trânsito continue a fluir legal. Quem vira sem avisar com a seta pode causar acidentes graves. Um dos motivos de essa pisada na bola ter sido apontada por Gu92, Cincinatokravmaga, LuconcesVitor CLeonardoDaniel Zanella, Sylvio, jamilton costa, Filipe Augustus e Alisson Silva.

2 - Empatar a esquerda

Atitudes que nos deixam loucos no trânsito

Essa mancada foi citada por 10 de nossos leitores (Attila Ribeiro, Marcelo SantosCar-Fankravmaga, JuanYuri RaddNando380, Daniel ZanellaThiago Moreno Daniel Candido). Não apenas porque ela atrasa as pessoas que estão com alguma urgência ou que simplesmente querem fazer uma ultrapassagem dentro da lei, mas também porque podem causar acidentes ou impedir socorro. Dia desse, no trânsito, vi um motoqueiro berrando deseperado para uma senhora em um Honda Fit. Ela impedia a passagem de uma ambulância. Quando o trânsito voltou a andar, o motorista da ambulância agradeceu a ajuda do motoqueiro e a tal senhora não parecia ter notado o atraso que causou. Ou fez a melhor cara de paisagem que já vi, para fingir que não era com ela. Mas era. Mandou mal, tia.

3 - Falar ao celular

Atitudes que nos deixam loucos no trânsito

Todo mundo tem alguma história com alguém que não devia dirigir, mas que resolveu fazer isso mostrando que consegue ser péssimo tanto ao volante quanto com um celular nas mãos. Uma encostada no para-choque, uma ralada, uma batida, um acidente grave. Não é por acaso que isso tira Anderson SP®, PerobaCFagner RafaelMarcos ViannaMike MilankovicAntonio Castro e Mr. Porschemann do sério. Além de proibido por lei, dizem que dirigir com um celular nas mãos é pior do que rodar bêbado por aí. Não duvidamos, diante da epidemia atual.

4 - Andar colado na traseira alheia

5 - Ocupar duas vagas ou estacionar mal a ponto de matar a vaga ao lado

Atitudes que nos deixam loucos no trânsito

Foto do site Porto Belo Tem

6 - Não dar passagem mesmo depois de ver o pisca

É comum dar a passagem em uma porta de elevador, para entrar e sair de lugares e como demonstração de cortesia. Mas muita gente é incapaz de fazer isso ao volante, como bem sabem Luciano Elvira de Cerqueira, luccas Mr. Porschemann. Por isso tanta gente usa o pisca não para pedir licença, mas para avisar o que vai fazer em seguida. Se esperar a boa vontade dos outros motoristas, não entra. Bom seria se as pessoas fossem gentis ao volante como devem ser ao vivo.

7 - Não andar em apenas uma faixa

Atitudes que nos deixam loucos no trânsito

Foto do site Driver's Ed Guru

Experimente andar em uma avenida larga em obras, sem as faixas pintadas no chão. Você poderá escrever uma tese médica sobre a incapacidade das pessoas em calcular espaços e se manter neles. O que mais se vê são carros que vagam de um lado para o outro sem direção. À deriva. Pior é gente que faz isso mesmo com faixas delimitadas, como Mr. Car e PedroGearhead constatam. E eventualmente todos nós, alguns com mais frequência do que os outros. Mas todos com a mesma infelicidade.

8 - Buzinar assim que o semáforo abre

Concordamos que o tempo é precioso, mas tem gente que exagera. E enfia a mão na buzina assim que o semáforo fica verde. Nada daqueles dois toquinhos leves, só para avisar os eventualmente distraídos: é aquela buzinada contínua, estridente, de quem quer gritar na cara dos outros. Coisa que pouca gente teria coragem de fazer sem a proteção de tanto aço e vidro, com certeza, sob pena de ter a genitora malfalada, para ficar nas consequências mais leves. Mr. Car e Vinicius acham este comportamento insuportável. E nós concordamos com os dois.

9 - Passar devagar em radares

A velocidade máxima naquele pedaço é de 60 km/h. Ou 80 km/h. Tanto faz. Tem gente que não pode ver um "pardal que já tira o pé do acelerador. Quando não o coloca no freio, passando a 30 km/h ou 40 km/h pela fiscalização. Como dizem, não há bônus por passar no radar a metade da velocidade. E os velocímetros ou têm aferição para indicar velocidade mais alta do que a real ou exatamente a que deveria aparecer. Nunca acima dela. Marcelo Santos e MMM não entendem por que essa turma diminui tanto a velocidade nos radares. Talvez nem Freud explicasse, se vivo estivesse.

10 - Carros rebaixados que não passam em lombadas e valetas

"NO mola". Em pleno século 21, ainda tem gente que acha isso bonito. Adora cortar caixa de roda para encaixar um aro 25" e deixar o carro a 2 cm do chão. Tirar molas e deixar só o amortecedor para o carro ficar "esportivo". Seria apenas questão de gosto se a catranha não foi ilegal e perigosa. Se ela pelo menos conseguisse passar por lombadas e valetas... mas não consegue. Não consegue nem andar tão rápido quanto seu dono acha que ela pode por ser tão baixa. O carro literalmente se arrasta. Matheus Ulisses P. e Marcus Dias podiam ter sugerido isso como um dos maiores contrassensos automotivos, mas eles também cabem como um comportamento lamentável. Tanto com o coitado do carro candidato a perder o assoalho quanto com os demais motoristas, que têm de esperar o dono do "low rider" fazer malabarismo para se livrar dos buracos em que se meteu.

11 - Fila dupla

A desculpa é sempre a mesma: "É rapidinho". E dá-lhe folgado estacionado na faixa de rolamento por uma eternidade. O meio da rua não é estacionamento, amigo. Larga a mão de ser folgado e para onde realmente tem vaga. Esse é um apelo nosso, do Renegade1.0 e do Rafael Medeiros, mas temos certeza de que muita gente mais endossa esse pedido por civilidade.

12 - "Furar fila"

O cara que se acha melhor do que todo mundo e para em fila dupla, estaciona o carro em duas vagas e acha que só existe ele no mundo também não gosta de esperar. Por isso ele corta fila. Vem pela direita cortar a fila de carros que quer converter pra esquerda e empata a faixa que deveria seguir reto. Ou passa todo mundo que vai virar à direita, em rua estreita, para entrar na frente do primeiro que der passagem (ou for lento demais para acompanhar o trânsito). Enquanto todo mundo espera, entra na faixa de conversão e aguarda, lá vem o bonzão. Isso quando ele não se finge de policial, enche o carro de luz estroboscópica e filme G5 (ilegal, já que tem apenas 5% de transparência quando o mínimo é 28%) e força a passagem à sua frente como se tivesse de resolver algum assassinato. Se esse tipo de gente voasse, era o céu que estava com cobertura G5, como sabem bem o Caio Vinicius e o MMM. 

13 - Usar os faróis de neblina incorretamente

Pouca coisa deve perturbar tanto quanto a luz de neblina traseira em um dia sem neblina. Parece um farol alto na fuça de quem vem na mesma via do infeliz que a aciona. Os faróis de neblina dianteiros não incomodam tanto, a não ser por pensar que muita gente ainda se rende à moda do "meio ponto". Aquela onda de 1900 e guaraná com rolha em que o povo rodava com lanternas acesas e os faróis de neblina iluminando o chão. Pra quê? Farol baixo alcanca distâncias maiores e permite a bendita da antecipação, tão necessária a quem roda em velocidades acima das que um ser humano pode correr. A sugestão partiu de 

14 - Esperar o amarelo para acelerar

Que jogue a primeira pedra quem nunca mordeu o volante atrás de um lerdo qualquer que, quando o semáforo ficou amarelo, resolveu virar o Ligeirinho. E acelerou para escapar do vermelho enquanto você, respeitador das leis, ficou no farol. Não surpreende que kravmaga e Yuri Radd tenham escolhido esse comportamento com um dos piores no trânsito e o atribuído a taxistas à caça de passageiros. É só o que explica o comportamento. Ou alguém com espírito de troll de internet...

As demais sugestões têm apenas um pai (ou mãe), mas não são menos relevantes por isso. Veja o que mais aborrece estes nossos leitores:

Amaury DuBois - quem anda pelo acostamento e pede para voltar à estrada na sua frente

Herbert Ramthum - gente que estaciona na frente da sua garagem e de guias rebaixadas em geral

Stroka - quem dirige devagar demais na chuva

Pablo Moreira - quem usa pisca-alerta de desculpa para estacionar em locais proibidos

Marcelo Santos - quem "atravessa" ultrapassagens: entra na sua frente enquanto você está ultrapassando

Você acha que faltou alguma barbaridade? Aproveite nosso espaço de comentários para acrescentar ou dar mais pitacos ao que o pessoal já apontou. Se curtiu, ajude-nos a compartilhar essas dicas. Espalhe a boa nova de que o trânsito pode ser uma fonte a menos de estresse para todos nós.

Fotos: reprodução

Montagem: Gustavo Henrique Ruffo sobre foto de FontFont (Creative Commons)

Seja parte de algo grande

Atitudes que nos deixam loucos no trânsito