0 a 96 km/h em 2,3 segundos, 400 m em 9,65 s a 224 km/h e capacidade de "levantar voo" por quase 1 metro

"Por que as marcas fazem carros de nicho? Com certeza não é por negócios", admite Tim Kuniskis, chefe da divisão de carros de passageiros da FCA norte-americana. O Challenger SRT Demon não venderá muito, mas irá construir entusiasmo em volta dos Dodge, os mais acessíveis carros esportivos.

Leia também:

Com outros jornalistas, fui ao quartel general da Fiat Chrysler EUA para ver o Demon e aprender todos os seus segredos meses antes de o carro ser apresentado ao grande público. Mas enquanto você lê este texto, muitos deles já foram revelados pelos teasers semanais da Dodge, assim como por uma série de flagras. 

O quão insano é o carro? Bem, a Dodge foi tão longe que registrou no Guinness o recorde de mais longo wheelie (arrancar com o carro de tração traseira sem as rodas dianteiras tocarem o chão) de um modelo de produção - subindo 88 cm na saída. E o Demon é tão rápido que a National Hot Rod Association (NHRS), associação que regula as provas de arrancada nos Estados Unidos, o "baniu" por não ter equipamentos de segurança requeridos para tal performance. 

Dodge Challenger SRT Demon 2018
Dodge Challenger SRT Demon 2018

A maior questão na mente de todos que acompanharam os teasers do Demon é, logicamente, potência e números de desempenho. E estas questões finalmente foram respondidas: a Dodge diz que o Demon produz 852 cv e atinge os 96 km/h em apenas 2,3 segundos, com 1,8 x mais que a força da gravidade na largada. Mantenha o pé no fundo e o Demon atravessa os 400 m em 9,65 s a 224 km/h. Nada mau, Dodge. 

Comparado ao Hellcat, o 6.2 V8 do Demon ganha duas bombas de combustível, no lugar de uma, um supercharger de 2,7 litros de deslocamento, no lugar de 2,4 l, 1 bar de pressão, em vez de "apenas" 0,8 bar, e corte de injeção saindo dos 6.200 rpm para 6.500 rpm. 

Como ficou claro nos teasers, o Challenger SRT Demon é mais do que um Hellcat aliviado. É totalmente legalizado para as ruas e, hipoteticamente, pode ser usado para ir à igreja, mesmo tendo sido desenvolvido para ser um devorador de competições de arrancada. 

"Nunca fizeram um carro de rua pronto para as arrancadas"

"Nunca fizeram um carro de rua pronto para as arrancadas", disse Kuniskis. Ele disse que uma equipe de 25 engenheiros da SRT, mais alguns funcionários da FCA, gastaram mais de dois anos desde o começo ao final do projeto.  

Os truques do Demon começam com uma dieta que removeu 105 kg de massa comparado ao Hellcat em que é baseado. O carro final é 97,5 kg mais leve pela adição de peso dos apliques laterais, novas rodas e outros equipamentos. 

Como já detalhamos antes, muito da economia de peso vem da retirada do banco traseiro (- 25 kg) e do banco do passageiro (-26 kg). Mas a Dodge permitirá que os compradores paguem uma pequena quantia por eles - e espera que muitos façam isso. 

"Se você quer conforto, você poderá ter por uma pequena quantia", disse Kuniskis. "Quase 100% dos compradores optarão pelo menos pelo banco do passageiros dianteiro. O banco traseiro... não, acho que ninguém irá querer". 

Dodge Challenger SRT Demon 2018
Dodge Challenger SRT Demon 2018

Com a ausência do banco traseiro, você pode ainda optar por uma barra anti-torção (desenvolvida pela Dodge, mas não vendida por ela) assim como um lugar especial para colocar seu capacete. 

Os freios do Demon são menores, tirando 7 kg (pinças com 4 pistões na dianteira com discos de 14,2" no lugar das pinças de seis pistões e discos de 15,4" do Hellcat); menores, as barras estabilizadores perdem 8,6 kg; novas rodas com prisioneiros ocos perdem 7,2 kg. Remover peças do acabamento interno, isolamento acústico e usar um sistema de som com apenas dois falantes levam a dieta a impressionantes 105 kg no total. 

As rodas tem 18" de diâmetro e 11" de largura. Eles usam pneus especiais para arrancada da Nitto, os NT05R 315/40 R18, sendo o primeiro carro de produção vendido com este tipo de pneu. Por mais que o NT05R não seja um pneu novo, o Demon usa um composto especialmente feito para ele. Eles devem dar ao Demon o triplo de aderência na arrancada que o Hellcat. Os pneus estão montados com menos 0,5" de cambagem que o Hellcat graças a novas juntas traseiras, melhorando a capacidade de andar em linha reta. 

Não, não há opção de câmbio manual. Ele seria mais lento. 

A Dodge diz que a qualidade de rodagem será melhor que no Hellcat pelos pneus mais altos do Demon. O Hellcat vem com rodas de 20" com pneus baixos, medidas 275/40. 

Aderência, no entanto, não é o único elemento crítico para arrancadas rápidas. Dizem que o Demon tem 35% mais força de arrancada que o Hellcat, ajudado pelo diferencial traseiro mais curto, com 3,09:1 no lugar de 2,62:1. O conversor de torque do câmbio de 8 marchas tem 11% mais velocidade de trocas e multiplica o torque 18% a mais no final. Em outras palavras, é bem mais barulhento na estrada. Para lidar com estas novas "regras", todas as partes da transmissão foram reforçadas. 

Antes que você pergunte, não há opção de câmbio manual. Ele seria mais lento e menos consistente nas arrancadas, e alguns dos elementos do Drag Mode requerem o câmbio de 8 marchas. 

Dodge Challenger SRT Demon 2018
Dodge Challenger SRT Demon 2018

Ao comprar um Dodge Challenger SRT Demon, ainda são necessários alguns passos para ser o herói da arrancada. Quem quer tirar o máximo do carro precisará pagar uma taxa a mais por um pacote extra - com uma placa com o nome do proprietário e chassi do carro - que ajuda a transformar o Demon em um monstro das corridas. 

Dentro dele, há duas rodas dianteiras mais finas para as corridas de arrancada. Não há pneus, então o piloto pode escolher seu favorito. Com isso, Kuniskis diz que os pneus de fábrica podem ser usados como estepe. O kit inclui as ferramentas, como macaco, chave de roda e outros componentes para a troca das rodas. 

A mais, este pacote especial vem com uma nova válvula termostática, captador de ar e programação para o V8 6.2 Supercharger, além de novos botões no painel. Com tudo instalado, o piloto pode apertar o botão para mudar a programação para combustível de alta octanagem - Kuniskis brinca que os advogados não deixaram ele chamar o botão de "race-fuel mode" - que libera ainda mais potência.

Vários sensores checam a qualidade do combustível e desligam o modo se o combustível não for bom suficiente, já que é exigida uma mistura com 91 a 100 octanas no tanque. O Demon ainda atende às normas de emissão quando este modo está ativado.

Toda esta potência vem de novas formas de admissão de ar. Para começar, o Demon traz o que está sendo chamado de "maior scoop de capô em um carro de produção", chamado de Air Grabber e com 45,2" quadradas, assim como captadores de ar nos faróis. Sozinhos, eles podem reduzir a temperatura do ar na admissão em 1ºC, disse Kuniskis. O Demon ainda vem com uma tecnologia, com patente pendente, chamada Air-Change Cooler. Quando ativada, ela usa o ar-condicionado para resfriar o intercooler do supercharger. Isso reduz a temperatura da admissão em 7,2ºC. Todo piloto sabe que, quanto mais ar frio entra, mais combustível é necessário e mais potência sai. Falando nisso, com o ar-condicionado ligado, haveria o problema da condensação na pista de arrancada, então um captador está instalado para quando o Cooler está em uso. 

Depois de cada passagem na pista, um sistema reduz a temperatura do motor de volta ao normal. Chamado de After-Run Cooler (também com patente pendente), ele mantém as ventoinhas do motor e a bomba do intercooler funcionando mesmo com o motor desligado para baixar a temperatura até a próxima puxada. Mais uma vez, consistência e monitoramento de temperatura são os segredos do jogo. 

 

 

Quando chega a hora de colocar tudo isso em prática, Kuniskis quer que o piloto do Demon vá longe de uma forma fácil atrás do volante. O Drag Mode, acessível pela central multimídia, configura cada componente para a melhor performance no "tiro". Começa ajustando a suspensão, com a traseira totalmente travada e a dianteira com maior compressão, dando ao nariz do carro a facilidade para empinar. (Falando nisso, a suspensão original do Demon é bem mais suave que a do Hellcat). 

Quando era jovem, Kuniski lembra com um sorriso, ele e seus amigos colocavam peso na dianteira de seus carros - mas que deixava pouco controle lateral quando as coisas ficavam estranhas. A suspensão foi otimizada para dar o mesmo efeito sem os problemas dos métodos old-school. 

O Drag Mode também desliga o controle de tração para o máximo de "wheel slip", mas mantém o controle de estabilidade funcionando, para o máximo de prevenção de acidentes. Um sistema eletrônico manda a potência do motor ao eixo traseiro até um certo limite, o que previne danos ao sistema de transmissão. 

Mais importante de tudo, o Drag Mode ativa um sistema de "two-step" para o controle de largada. Usando a desativação de cilindros, ele abre uma válvula para o supercharger, então o motor carrega a pressão positiva conforme a rotação sobe (lembre que há muito mais capacidade de velocidade com o novo conversor de torque). E para ajudar com isso, há um transbrake (que trava as rodas traseiras) no câmbio de 8 marchas que bloqueia o diferencial. Simplesmente segure na aleta de câmbio do volante enquanto acelera e veja a rotação subir. Apenas solte a aleta e segure firme. 

E, como o Ford Mustang, o Demon terá, de fábrica, o line-lock, que permite fazer burnouts. A proposta seria aquecer os pneus, mas pode ser um atrativo para os encontros de carros. Infelizmente, a Dodge limitou o line-lock a apenas "400 voltas dos pneus" por vez. 

O Demon será vendido por apenas um ano e em quantidade limitada. 

Em termos de conforto, bom, o Challenger Demon não tem muito. Há apenas dois auto-falantes para o sistema de som e só os itens de segurança exigidos por lei - câmera traseira, controle de estabilidade e monitoramento de pressão de pneus. Há o modo manobrista, que limita a rotação em 4.000 rpm e desativa o launch control, além de um modo Eco que ninguém irá usar. 

Vale notar que o Dodge Challenger SRT Demon vem com garantia de 3 anos/57.600 km, o que é estranho para o foco em desempenho. Kuniskis diz que a Dodge irá cobrir a garantia mesmo se você usar as peças do pacote extra. A fábrica cobre "tempo competindo", mas não corridas, então apenas os praticantes de final de semana estarão cobertos. 

Se você é um praticante de arrancadas, não tenha medo: as peças vêm com um livro explicando como o carro funciona, como acertá-lo e como extrair o melhor dele nas pistas. 

Os compradores ainda ganham treinamento na escola de pilotagem de Bob Bondurant. E, se você busca alguém para fazer o seguro de seu carro de corrida legalizado, a Dodge diz que tem uma parceria com a Hagerty Insurance, a seguradora oficial do modelo. 

O Dodge Demon será vendido por apenas um ano, em quantidades limitadas. Para o mercado americano, 3.000 carros serão vendidos a partir do meio do ano, com mais 300 destinados ao Canadá. 

O que resta é ver como os entusiastas receberão o Dodge. Será que o Demon será usado como deveria, nas pistas de arrancada? Ou será uma rainha das garagem que perde mais tempo em coleções do que nas pistas? De qualquer forma, a Dodge lançou um belo brinquedo. O Hellcat fez o caminho como o mais poderoso carro de rua, e o Demon o seguirá com mais potência e nova função. 

Se você perdeu a transmissão do lançamento do SRT Demon, você pode assistir aqui. Pule para os 26:11 para o começo do vídeo. 

 

 

Fotos e vídeos: divulgação

Seja parte de algo grande

Dodge Challenger SRT Demon 2018