Parte mais importante do processo é segregar todos os elementos com que eles são construídos

Não faz muito tempo que se dizia que pneus nunca poderiam ser reciclados. Afinal de contas, eles são produtos muito complexos. Sua estrutura usa aço (na banda e nos aros), plástico e a "borracha" em si, que é, na verdade, um outro tipo de polímero, cuja principal matéria prima é petróleo. Por um tempo, a solução que se encontrou foi usá-los como combustível de alto-fornos. Pelo menos até a criação de máquinas que conseguem reduzir os pneus literalmente a pó. Algumas delas podem ser vistas no vídeo acima. Ele é longo, mas a parte mais legal não te consumirá nem 5 minutos.

Leia também:

O grande desafio do processo é quebrar os componentes do pneu. Logo no começo do vídeo é possível ver um gancho que arranca os aros de aço da estrutura. Na sequência, o pneu é colocado em uma trituradora de dar medo, que reduz as laterais e a banda a pó. Deste pó, a parte mais leve, composta por plástico, é sugada por um aspirador.

 

Tire recycling machines

 

Sobra apenas o polímero que faz as vezes de borracha e limalha de ferro. A limalha é retirada por meio de ímãs, restando apenas o que a maior parte das pessoas acha que um pneu é. Cada um destes elementos, agora devidamente separado, pode ser reutilizado.

 

Tire recycling machines

 

A "borracha" tem sido usada para fazer asfalto, como combustível e em outras aplicações. O plástico serve de matéria prima para outros itens e o ferro e o aço, novamente fundidos, podem ser aplicados a novas peças. E talvez até a novos aros de pneu, repetindo todo o ciclo que essas máquinas incríveis permitiram criar. Bem melhor do que apenas queimar o que não serve mais.

Fotos: reprodução

Seja parte de algo grande