Após o escândalo da Volkswagen, país procura formas de reduzir a poluição sem proibições

Quase dois anos após a divulgação das primeiras informações sobre o dieselgate, o governo alemão aponta para uma mudança drástica para os carros com motores a diesel. A pressão vem para reduzir os níveis de emissões deste tipo de motor antes que mais cidades proíbam a circulação de um determinado grupo de veículos por suas ruas - algo que Stuttgart e Munique já sinalizaram. 

Leia também:

Informações da Reuters dão conta de que o governo trabalha para convencer as fabricantes a modificarem os sistemas de injeção de combustível para reduzir os níveis de emissões. Esta medida atingiria 12 milhões de veículos no país e custaria cerca de 10 bilhões de euros. "Queremos que as emissões sejam reduzidas por toda a Alemanha", disse o ministro dos transportes Alexander Dobrindt. 

Outra mudança seria sobre o orgão que homologa os novos modelos no país. Segundo o ministro, um novo instituto daria mais transparência e confiabilidade aos testes, mas a KBA ainda seria a responsável pelo licenciamento dos modelos e respostas ao governo alemão. Na nova norma, os testes considerariam fatores como o uso do ar-condicionado e até mesmo o clima para as avaliações, algo que hoje não é feito. 

As vendas de carros a diesel no país caíram após o dieselgate da Volkswagen e após algumas cidades mostrarem interesse na proibição da circulação de modelos que não atendam às mais recentes normas de emissões. 

Fonte: Reuters

Seja parte de algo grande