Facelift abrirá distância em relação ao Kwid, novo carro de entrada da marca

Conhecida dos europeus desde o Salão de Paris de 2016, a reestilização da linha Logan/Sandero ainda não chegou ao Brasil. No Salão de São Paulo, quando foram apresentados os novos motores SCe, a aparição da dupla reestilizada chegou a ser apontada como certa, mas não aconteceu e assim está até hoje. E a razão pra isso é simples: o retoque estético que será aplicado por aqui não será exatamente o mesmo de Sandero e Logan na Europa. 

Leia também:

Renault Sandero reestilizado - Europa

 

Fontes ligadas ao departamento de design da Renault do Brasil anteciparam que o desenvolvimento da reestilização por aqui tomou um caminho ligeiramente mais "refinado". Isso pois Sandero (e o Logan, por consequência) deixou de ocupar o posto de carro de entrada no portfólio da empresa - função que cabe agora ao novato Kwid. Dessa forma, o facelift terá a missão de deixar o modelo um tanto mais requintado, para abrir distância do irmão de sangue indiano e, ao mesmo tempo, se alinhar a rivais e atender as exigência do público brasileiro em seu segmento.

 

Renault Sandero reestilizado - Europa

 

As mudanças visuais serão discretas (como no modelo europeu apresentado nas imagens), mas a expectativa fica para detalhes mais esmerados no interior e recheio extra na lista de equipamentos. Sob o capô, não haverá mudanças para os motores 1.0 e 1.6 SCe - até mesmo porque foram apresentados há pouquíssimo tempo. Uma possibilidade interessante, também especulada, é a adoção do câmbio automático CVT no motor 1.6, conjunto idêntico ao oferecido nos SUVs Duster e Captur. 

Fotos: divulgação

Seja parte de algo grande