Bonito e bem equipado, modelo peca pela mecânica defasada na versão 2.0; 1.6 agrada

O ano de 2017 no mercado automotivo brasileiro começa do mesmo jeito que terminou 2016: com o lançamento de mais um SUV compacto! A bola da vez é o Renault Captur, mostrado no último Salão do Automóvel como aposta da marca para o efervescente segmento liderado por Honda HR-V e Jeep Renegade. Rodamos com as versões Intense 2.0 automática, que a Renault acredita que será a mais vendida num primeiro momento, e com a Zen 1.6 manual. Veja o que achamos. 

O que é?

Apesar do nome Captur, o "nosso" SUV tem muito pouco a ver com o modelo homônimo europeu. Lá, ele usa plataforma do Clio IV, um carro compacto, e tem dimensões reduzidas. Em estudos, a Renault percebeu que teria de desenvolver algo diferente para outros mercados. Assim, coube à engenharia brasileira criar o Captur "2", uma versão ampliada e mais robusta do modelo da Europa. Além do Brasil e América Latina, o projeto também já foi apresentado na Rússia e em breve chegará à Índia.

 

Renault Captur avaliação BR

 

Do Captur europeu, o brasileiro só usa os faróis, portas dianteiras e tampa do porta-malas. Nem o capô é o mesmo, por conta da maior largura do carro daqui. Isso porque o Captur de cá usa a plataforma do Duster, uma solução para ampliar o espaço interno e o porta-malas. O modelo ficou cerca de 20 cm mais longo que o europeu, principalmente por conta do entreeixos (2,673 m) e balanço traseiro alongados. Medindo 4,329 m de comprimento, o Captur é (por pouco) o maior dos SUVs compactos à venda no Brasil.

Usar a base do Duster também reforçou o lado SUV do modelo, com amplos 212 mm de altura livre do solo e, segundo a Renault, os melhores ângulos de entrada e saída do segmento, com 23 e 31 graus, respectivamente. Ainda de acordo com a marca, o Captur também possui o ponto H (quadril do motorista) mais alto da categoria, com 708 mm. Também do Duster vieram o sistema de freios, o eixo traseiro de torção e a cremalheira da direção. 

Na parte frontal, toda a suspensão e sub-chassi foram recriados, não só por conta das rodas aro 17" (o Duster usa no máximo 16"), mas também por questões de segurança. O Captur traz uma nova estrutura de deformação em impactos, além de aços de alta resistência em pontos estratégicos da carroceria. Outra preocupação foi com a aerodinâmica e o isolamento acústico, fazendo com que o Captur recebesse tratamento específico na parte inferior do assoalho, com coberturas e defletores para guiar o ar. No fim, somado à carroceria mais arredondada, o Captur ficou com coeficiente aerodinâmico (Cx) bem mais eficiente, de 0,37, contra 0,45 do Duster.

 

Renault Captur 2018 BR

 

Embora aproveite o eixo traseiro do irmão mais velho, a suspensão recebeu uma calibração específica de molas e amortecedores, bem como um acerto próprio para a direção eletro-hidráulica. Sim, o Captur ainda usa um sistema de direção com bomba hidráulica, mas com um motor elétrico para tocá-la. Também nesta conta entrou o alternador pilotado, que só entra em funcionamento quando a bateria mais precisa, aliviando o trabalho do motor - solução já adotada por Duster e Oroch. 

A herança do Duster trouxe também alguns inconvenientes, como a mecânica antiquada na versão Intense. Trata-se, basicamente, do motor 2.0 F4R com bloco de ferro e o câmbio automático de quatro marchas que são usados desde os tempos da... Scénic nacional. Daí você me pergunta: "Mas porque não usaram a caixa CVT do Fluence?". Simples: o motor 2.0 do Fluence é outro, de origem Nissan, o mesmo do Sentra. Na versão Zen, o motor do Captur é o novo 1.6 SCe ligado ao câmbio de 5 marchas, agora com sistema de acionamento por cabos em vez do antigo varão (mudança feita também na linha Logan/Sandero). 

Como anda?

À primeira vista, o Captur se destaca pelo estilo. Ele traz finalmente para a gama brasileira as últimas tendências de estilo dos Renault da Europa - essa dianteira, inclusive, vai inspirar a versão reestilizada do Captur europeu, que será apresentada em março no Salão de Genebra. Charme maior do modelo, a pintura "biton" é um opcional de R$ 1.400 que deixa o teto em cor diferente da carroceria. O vão livre do solo parece um pouco exagerado, mas o aumento no comprimento não interferiu na harmonia das linhas. E veio até com uma vantagem: como a janela espia lateral é maior, a visibilidade para trás foi beneficiada. As rodas, sempre de aro 17", também possuem desenho interessante, especialmente na versão Intense. 

Ao abrir as portas, porém, o Captur gera um misto de sensações. O painel tem desenho bonito e com melhor ergonomia que o do Duster, com a central multimídia e os comandos do ar-condicionado em posição elevada, bem à mão. Os bancos também são bacanas, bem grandes e cômodos. O porém fica por conta do acabamento: é muito plástico rígido para um carro que pode superar os R$ 90 mil, incluindo painel, console central e portas. Não há sequer um tecidinho nas portas traseiras, enquanto a tampa do porta-objetos no alto do painel dá impressão de fragilidade. Por fim, o revestimento do teto também não condiz com a imagem que a Renault quer vender do Captur.

 

Renault Captur 2018 BR

 

A posição de dirigir é boa, sem aquela impressão de "caminhão", apesar da altura elevada. Gostei do quadro de instrumentos, com layout moderno, que mescla instrumentos analógicos com o velocímetro digital bem no centro. Mas, quando vou ajustar a direção, "bum": o volante despenca no colo - e não ajusta em profundidade. É o tipo de coisa que você releva num Sandero, mas que no Captur não deveria acontecer.

Em termos de espaço, o Captur lembra muito o Duster, o que é bom, mas seus bancos espessos roubam alguns centímetros das pernas de quem viaja atrás. No porta-malas, o acabamento das laterais em plástico melhora a qualidade percebida, mas tira alguns litros de capacidade. Ainda assim, o Captur conta com bons 437 litros de porta-malas, empatando com o Honda HR-V na liderança do segmento neste aspecto.

Dirigimos primeiro a versão Intense 2.0. Por mais que o visual interno seja diferente, a sensação é de se estar num Duster com bancos e suspensão melhores. O Captur tem rodar mais firme que o do irmão mais velho, no que contribuem as rodas aro 17" com pneus 215/60, mas sem ser "pula-pula" nos buracos. Também é nítido o melhor isolamento acústico do modelo, tanto em termos de ruídos de vento quanto de incômodos provenientes do piso. Mas a direção é um tanto pesada em baixas velocidades se comparada aos sistemas elétricos dos rivais.

Renault Captur 2018 BR
Renault Captur 2018 BR

Dinamicamente, o Captur fica mais à vontade que o Duster na estrada e nas curvas, com um pouco menos de rolagem da carroceria, que também é mais rígida. Os freios parecem bem dimensionados, mesmo com tambores na traseira. A direção ganha peso acertado em velocidade, mas peca por dar um tranco nas mãos quando o carro pega uma ondulação no asfalto na curva - exatamente como acontece no Duster.

Outro ponto que remete ao Duster é o desempenho apenas mediano. O motor 2.0 rende 148 cv e 20,9 kgfm de torque com etanol, números até razoáveis, mas ele demora para subir de giro e o câmbio automático de quatro marchas não ajuda. As passagens de marcha são suaves, mas, mesmo na cidade, é perceptível o grande degrau que há entre as relações, com acentuada queda de giros do motor nas trocas. Assim, o Captur não ganha velocidade como um Creta 2.0 ou mesmo como um HR-V 1.8, assim como não demonstra a mesma vivacidade dos rivais nas ultrapassagens. A Renault fala em aceleração de 0 a 100 km/h em 11,1 segundos, o que vamos verificar em breve num teste completo.

O consumo também sai prejudicado com esse conjunto mecânico: o Inmetro indica 6,2 km/l na cidade e 7,3 km/l na estrada, com etanol, passando a 8,8 km/l e 10,8 km/l, respectivamente, com gasolina. Durante nossa avaliação, que mesclou circuito urbano e rodoviário, nossa média com gasolina ficou em 8,3 km/l.

 

Renault Captur avaliação BR

 

Ao trocar pela versão Zen 1.6, surpresa, o recém-lançado motor SCe me deixou com uma impressão mais positiva do Captur. Demos apenas uma volta rápida pela cidade, mas a farta entrega de torque do propulsor, com 90% dos 16,2 kgfm logo a 2 mil giros, deixa a tocada urbana agradável, sem necessidade de muitas reduções de marcha. Resta saber se os 120 cv darão conta do modelo numa viagem, o que testaremos também em breve. O que curtimos desde já foram os engates do câmbio, agora por cabos, e com um trambulador de trocas mais curtas que no Logan/Sandero.

O bom desempenho apresentado condiz com os 11,9 segundos que a Renault declara para a aceleração de 0 a 100 km/h - número próximo do 2.0 e sem os "buracos" nas trocas de marcha. Não foi possível verificar o consumo do Captur 1.6, mas o Inmetro indica médias de 7,6 km/l na cidade e 8 km/l na estrada, com etanol, e 10,9 e 11,3 km/l com gasolina, nesta ordem. A proximidade dos valores de consumo urbano e rodoviário nos leva a crer que a quinta marcha é curta, como no Logan 1.6, voltada para desempenho, e não para consumo. A ver.

Quanto custa?

Antes da estreia do Captur, havia expectativa de como a marca iria posicionar o Duster para não gerar conflito interno. Pois bem: a Renault disse que cerca de 80% das vendas do Duster são da versão 1.6 manual, hoje vendida com preço ao redor dos R$ 67 mil. Ou seja, ele continua como a opção de "primeiro SUV". Já as versões mais caras serão destinadas mais para vendas diretas, pois acabam esbarrando no Captur.

Renault Captur 2018 BR
Renault Captur 2018 BR

Por quase R$ 80 mil, o Captur de "entrada" vem com itens interessantes, como controle de estabilidade, quatro airbags e chave presencial do tipo cartão, além dos LEDs nos faróis para condução diurna. Veja a lista completa de equipamentos e preços abaixo: 

Captur Zen 1.6 SCe (R$ 78.900): quatro airbags (dianteiros e laterais), controle eletrônico de estabilidade (ESP), controle eletrônico de tração (ASR), assistente de partida em rampas (HSA),  freios com ABS, ISOFIX,  direção eletro-hidráulica, volante com regulagem da altura, ar-condicionado, rodas de aro 17" de liga leve, vidros elétricos, alarme perimétrico, chave-cartão hands free, comando de áudio e celular na coluna de direção (comando satélite), assento do condutor com regulagem de altura, sistema CAR (travamento automático das portas a 6 km/h), luzes diurnas em LED, retrovisores rebatíveis, piloto automático com indicador e limitador de velocidade. Opcionais: Media Nav + Câmera de Ré (R$ 1.990); pintura em dois tons (R$ 1.400).

Captur Intense 2.0 automático (R$ 88.490): adiciona rodas de aro 17" de liga leve diamantadas, apoio de braço, Media Nav 7” touchscreen, câmera de ré, ar-condicionado automático, sensor de chuva, farol de neblina com função Cornering Light, sensor crepuscular. Opcionais: bancos em couro (R$ 1.500) e pintura em dois tons (R$ 1.400).

Olhando para o segmento em geral, os preços do Captur estão, digamos, na média (inflacionada) dos SUVs compactos. Pelo menos a versão mais cara ainda fica a uma boa distância dos R$ 100 mil, que o Creta 2.0 atinge e o HR-V EXL ultrapassa. Mas, pelo que sentimos nesta primeira avaliação, o Captur mais interessante ainda está por vir. É o 1.6 com câmbio automático CVT da mesma família do usado no "primo" Nissan Kicks. Pelo que apuramos, a novidade chegará em cerca de três meses e estará disponível tanto no acabamento Zen quanto no Intense. 

Texto e fotos: Daniel Messeder   

RENAULT CAPTUR ZEN 1.6

MOTOR dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.597 cm3, duplo comando, variador de fase na admissão, flex
POTÊNCIA/TORQUE 118/120 cv a 5.500 rpm / 16,2 kgfm a 4.000 rpm
TRANSMISSÃO manual de 5 marchas; tração dianteira
SUSPENSÃO independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
RODAS E PNEUS alumínio de aro 17" com pneus 215/60 R17
FREIOS discos ventilados na dianteira e tambor na traseira com ABS e EBD
PESO 1.273 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.329 mm, largura 1.813 mm, altura 1.619 mm, entre-eixos 2.673 mm
CAPACIDADES Tanque 50 litros; porta-malas 437 litros
PREÇO  R$ 78.900

RENAULT CAPTUR INTENSE 2.0

MOTOR dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.998 cm3, duplo comando, flex
POTÊNCIA/TORQUE 143/148 cv a 5.750 rpm / 20,2/20,9 kgfm a 4.000 rpm
TRANSMISSÃO automático de 4 marchas; tração dianteira
SUSPENSÃO independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
RODAS E PNEUS alumínio de aro 17" com pneus 215/60 R17
FREIOS discos ventilados na dianteira e tambor na traseira com ABS e EBD
PESO 1.352 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.329 mm, largura 1.813 mm, altura 1.619 mm, entre-eixos 2.673 mm
CAPACIDADES Tanque 50 litros; porta-malas 437 litros
PREÇO  R$ 88.490

       

Seja parte de algo grande

Renault Captur avaliação BR