O best-seller da Toyota se aprimora para manter a liderança de vendas. Mas será que ele é realmente melhor que o Honda?

Não tem pra ninguém! Desde que o Corolla estreou a atual 11a geração no Brasil, em 2014, a disputa pelo segmento de sedã médios deixou de ser acirrada para se tornar um verdadeiro passeio da Toyota. Mesmo às vésperas da atualização que estreou neste mês como linha 2018, o Corolla dominava cerca de 40% das vendas da categoria. E olha que ano passado chegaram as novas gerações do Chevrolet Cruze, com motor turbo e custo-benefício atraente, e do Honda Civic, com design arrojado e dirigibilidade afiada. Nada, porém, capaz de mudar o cenário de domínio da Toyota.

Mas será mesmo que o Corolla é tão bom assim que nem mesmo o arquirrival Civic, de projeto mais novo, consegue atrair os interessados no Toyota? Bom, aproveitamos que o Corolla está de cara nova e trouxe de volta a versão "esportivada" XRS para escalar o Civic "10" ao novo round de uma luta que já dura décadas mundo afora. Corolla ou Civic? Toyota ou Honda? Prepare a pipoca...

 

Comparativo Corolla x Civic

 

Vamos começar pelo "estreante" XRS, versão do Corolla que se baseia na XEi e traz diferenciais de estilo como saias laterais, frontal e traseira, além de aerofólio na tampa do porta-malas. Por dentro, o acabamento é na cor preta, para dar o toque esportivo. Mas não é só: todo Corolla 2018 ganhou controle de estabilidade com função de assistente de saída em rampa e 7 airbags (frontais, laterais, de cortina e para o joelho). Por fora, o novo design com faróis e grade afilados ganha destaque nesta versão por conta dos LEDs nos faróis baixo e alto. Novas rodas aro 17" completam o pacote de novidades.

Mas, se o Corolla já não era barato, a conta ficou ainda mais salgada agora: o XRS não sai por menos de R$ 108.990 - muito para uma versão "maquiada" do XEi, de R$ 9 mil a menos. Com R$ 109 mil, dá para levar o Civic EXL de R$ 105.900 e ainda pagar o seguro do Honda. Consideramos, então, a versão EXL no comparativo, apesar de utilizarmos um Civic Touring na sessão de fotos.      

Outra coisa importante para se levar em consideração é a atualidade do projeto. O Corolla é uma reestilização do modelo de 2013, enquanto Civic foi completamente renovado em 2016. Novidades que o Toyota trouxe agora, como o ESP, as rodas aro 17" e a multimídia de 7", já estão no Honda faz algum tempo. E o Civic vai além no que diz respeito ao chassi, incluindo suspensão traseira multilink, suspensão dianteira com buchas hidráulicas, direção elétrica com relação variável e freio de estacionamento elétrico - ou seja, um conjunto bem mais refinado que o do rival. 

 

Comparativo Corolla x Civic

 

Sob o capô, a disputa é mais próxima, com leve vantagem para o Toyota. O Corolla segue com o motor 2.0 16V de comando duplo variável que gera 154 cv de potência e 20,7 kgfm de torque. O Civic tem um 2.0 16V de comando simples variável, que rende 155 cv e 19,5 kgfm. Ambos trazem câmbio automático CVT, mas só o Toyota simula 7 marchas no modo Drive - o Honda só simula quando no modo Sport. Borboletas na direção equipam os dois.

Para acomodar as rodas aro 17" com perfil mais baixo (215/50), a Toyota promoveu mudanças na suspensão do Corolla afim de manter o conforto de rodagem. Adicionou 5 mm a mais na altura e mudou a carga de molas e amortecedores, além de alterar a calibração da direção elétrica. A altura extra parece pouca na teoria, mas repare nas fotos como o Corolla está bem mais alto que o Civic. Na prática, o Toyota também ficou um pouco mais firme ao rodar e com o volante mais pesado, ainda que mantenha sua orientação para o conforto.

A Toyota poderia ter aproveitado a reforma para mexer mais na cabine. O painel segue com desenho muito horizontal, sem graça, e alto, deixando os motoristas mais baixos com a sensação de estarem "afundados". Também já passou da hora de substituir as tirinhas de ferro para abrir o porta-malas e o tanque de combustível por aberturas elétricas, como no Civic. E o que dizer do reloginho digital ao lado da central multimídia? Ao menos o quadro de instrumentos ganhou uma telinha colorida de 4,2" com diversas informações (incluindo velocímetro digital), além de um grafismo mais bonito e de melhor leitura no conta-giros e velocímetro.

Comparativo Corolla x Civic
Comparativo Corolla x Civic

Pouco atraente por dentro, o Corolla já perdia neste aspecto para o Civic anterior. O novo, então, dá de lavada. Desde o desenho do painel até o quadro de instrumentos com tela TFT colorida que agrupa o velocímetro digital dentro do arco do conta-giros. O Honda também agrada pelo console central elevado, onde estão as teclas do freio de estacionamento e do modo Econ, que ajuda a reduzir o consumo de combustível. Outra vantagem do Civic está no acabamento, com materiais de melhor qualidade percebida e maior apuro nos detalhes.

Infelizmente, porém, o Civic perdeu uma de suas boas características nesta 10a geração, que era o assoalho traseiro plano. Além disso, o teto ficou mais baixo e sua curvatura acentuada aumentou o esforço para acessar a cabine e reduziu o espaço para a cabeça dos ocupantes do banco traseiro. O espaço para as pernas é muito bom, mas o Corolla leva vantagem pelo assoalho plano, que melhora a vida do quinto ocupante, e teto mais alto. Quanto aos bancos, o Toyota oferece assentos mais largos, enquanto a Honda foi pelo caminho da esportividade, adotando assentos mais justos e de abas mais fechadas - questão de gosto. Também no volante o Civic confirma seu apelo dinâmico, com uma peça menor e mais estilosa que a do rival.

Comparativo Corolla x Civic
Comparativo Corolla x Civic

Interessante no Honda o botão de controle do volume do áudio sensível ao toque (basta passar o dedo para cima para aumentar o som, por exemplo). As centrais multimídia têm boa resolução, mas a da Honda poderia ser mais intuitiva de usar. Já a do Toyota peca por ser extremamente lenta nos comandos, porém, com a vantagem de ter a TV digital, que muitos consumidores curtem. Em contrapartida, somente o Civic possui conexão via Apple CarPlay e Android Auto, que facilita a interação com o smarthphone.

E a interação com o motorista? Bem, o Corolla está melhor, com um uma rolagem mais contida da carroceria e pneus que dobram menos nas curvas. A direção também ganhou peso, embora seja um pouco artificial. Mas a verdade é que não dá para dizer que é sem graça dirigir um Corolla. Ele faz tudo certinho, e agora o ESP ajuda quando entramos forte demais na tangência e a traseira fica leve e ameaça sair. Mas seu destaque é mesmo a caixa CVT "justinha", que mantém o motor em rédea curta. Ao pressionar o acelerador, a resposta do Corolla é mais contundente que a do Civic, especialmente em ambiente urbano. 

No Honda, parece haver um "delay" entre a pisada no acelerador e o entendimento do câmbio para acordar o motor, além de o torque do Civic ser menor. Por conta disso, repare que o Corolla pulou na frente nas provas de aceleração e na retomada de 40 a 100 km/h. Já em velocidades mais altas, como na retomada de 80 a 120 km/h, o Civic se saiu melhor. E também faturou as medições de frenagem, ainda que seja importante ressaltar a melhora do Corolla neste aspecto, reduzindo em quase 5 metros a distância de parada quando vindo a 100 km/h - méritos dos novos pneus e da suspensão mais firme, que amenizou o efeito "mergulho" da dianteira nas frenagens fortes.

 

Comparativo Corolla x Civic

 

Os testes instrumentados, porém, não contam toda a história. E a verdade é que, ao volante, o Civic é uma máquina mais prazerosa. A direção é mais leve e mais rápida com sua relação variável, enquanto a suspensão firme segura "muuuito" o sedã na trajetória em curvas velozes, com vantagem principalmente na traseira - bem mais presa ao chão, com seu sistema multilink, do que a do Corolla. Mas o melhor de tudo é que não existe mais aquela diferença de o Civic ser duro e o Corolla macio. O Honda evoluiu muito em conforto nesta geração, tanto na absorção de impactos quanto no ruído de rodagem, sendo o Corolla apenas um pouco mais suave. Pena o motor Honda ainda ser um pouco barulhento se comparado ao da Toyota.

Então ficamos assim: o Corolla evoluiu. Se você é fã do modelo, compre a versão XEi (a de melhor custo-benefício) e seja feliz. Mas saiba que, apesar de o Toyota dominar as vendas e talvez até ampliar a vantagem com a reestilização, atualmente a Honda entrega um produto superior.

Fotos: Rafael Munhoz 

Ficha técnica

 

   Corolla XRS Civic EXL
Motor dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, comando duplo variável, flex dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, comando simples variável, flex
Cilindrada 1.986 cm3 1.997 cm3
Potência 143/154 cv a 5.600/5.800 rpm 150/155 cv a 6.300 rpm
Torque 19,4/20,7 kgfm a 4.000/4.800 rpm 19,3/19,5 kgfm a 4.700/4.800 rpm
Transmissão automática CVT com simulação de 7 marchas automática CVT com simulação de 7 marchas no modo manual
Tração dianteira dianteira
Direção elétrica elétrica com relação variável
Suspensão McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira McPherson na dianteira com buchas hidráulicas e multilink na traseira
Freios discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira com ABS e EBD discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira com ABS e EBD
Rodas liga leve aro 17" com pneus 215/50 R17 liga leve aro 17" com pneus 215/50 R17
Peso 1.315 kg 1.291 kg
Porta-malas 470 litros 519 litros
Tanque 60 litros 56 litros

 

MEDIÇÕES MOTOR1.COM BRASIL
    Corolla XRS Civic EXL
Aceleração    
  0 a 60 km/h 4,7 s 5,1 s
  0 a 80 km/h 6,8 s 7,2 s
  0 a 100 km/h 9,7 s 9,9 s
Retomada    
  40 a 100 km/h em S 7,0 s 7,4 s
  80 a 120 km/h em S 6,7 s 6,5 s
Frenagem    
  100 km/h a 0 40,6 m 38,0 m
  80 km/h a 0 25,5 m 24,2 m
  60 km/h a 0 14,3 m 13,4 m
Consumo    
  Ciclo cidade 7,0 km/l  7,8 km/l
  Ciclo estrada 10,9 km/l  11,2 km/l

Seja parte de algo grande

Comparativo 2017 Toyota Corolla x Honda Civic

Foto de: Rafael Munhoz