Com motor turbo, câmbio manual e preço agressivo, seria ele o sedã médio de melhor custo-benefício?

Sedãs médios equipados com câmbio manual estão se tornando cada vez mais escassos, salvo representantes como o VW Jetta Trendline 1.4 TSI e o Civic Sport 2.0 - o Corolla só possui caixa manual na versão para frotistas). E para aumentar esse time a Citroën lançou recentemente o C4 Lounge Origine 1.6 THP com a caixa manual de seis marchas. Confira a seguir o nosso teste instrumentado com ele. 

O que é?

  
Com a aposentadoria do motor 2.0 16V na linha, esta versão, que alia motor 1.6 turbo e transmissão manual de seis velocidades, se tornou a opção mais barata do portfólio do sedã franco-argentino. Mesmo sendo a variante de entrada, o visual externo não difere muito dos modelos mais caros, a não ser pelas rodas de liga leve aro 16" (em vez das de 17") e ausência da opção de pintura perolizada.

 

Teste Citroën C4 Lounge MT

 

Considerando o conjunto mecânico apurado, bem que o modelo poderia receber um visual com maior apelo esportivo, a exemplo do Civic Sport. Todavia, o C4 Lounge básico se vale do bom custo benefício e traz equipamentos como ar-condicionado manual, luzes de neblina dianteiras e traseiras, saídas de ar para o banco traseiro, controle de velocidade de cruzeiro, retrovisores elétricos, controles de estabilidade e tração (ESP/ASR), volante multifuncional e assistente de partida em rampas.  
 
O interior segue o bom padrão de acabamento e montagem das versões mais caras, mas nesta opção o sedã da Citroën peca pela ausência de uma central multimídia (que não é oferecida nem como opcional) e também do sensor de estacionamento, desejável em um carro deste porte. O ponto negativo fica por conta do pequeno display com iluminação na cor laranja que engloba as funções do rádio (MP3 e Bluetooth) e do computador de bordo, que lembra carros mais antigos da PSA como o Peugeot 307. Além disso, o quadro de instrumentos é mais simples e possui apenas o velocímetro digital, em vez do combinado digital/analógico. 

 

Teste Citroën C4 Lounge MT

 

Como anda? 

Desempenho nunca foi problema para o C4 Lounge desde que ele recebeu o motor 1.6 THP, inicialmente com transmissão automática. Mas, ao acelerar esta versão, logo de cara fica evidente a boa disposição do sedã, mesmo com seus quase 1.400 kg. A sensação de agilidade é bem maior que na versão automática, embora na prática os números sejam bem próximos. Na aceleração de 0 a 100 km/h, por exemplo, ele cumpriu a tarefa em 9,0 segundos, com etanol no tanque. 
 
Como esperado, uma das vantagens mais visíveis do câmbio manual é aproveitar o torque máximo que chega bem cedo, logo acima da rotação marcha lenta. No uso diário, o único porém fica por conta do pedal de embreagem um tanto brusco, que obriga o motorista a dosar bem o pé nas saídas.

 

Teste Citroën C4 Lounge MT

  

Na estrada fica ainda mais agradável explorar o bom torque por meio das mudanças de marcha. A disposição é tanta que o sedã consegue retomar bem mesmo em sexta, em velocidades de cruzeiro entre 110 km/h e 120 km/h. Tudo isso aliado a rodagem macia, com baixo nível de ruído e ótimo isolamento acústico.  
 
Se o desempenho empolga, o volante grande, o banco macio e o câmbio com engates um pouco longos estão ali para lembrar que o C4 Lounge não tem pretensões esportivas. Além disso, a suspensão tem foco no conforto, deixando a carroceria rolar com alguma intensidade, ainda que sem comprometer a segurança.   
 
Já o consumo foi razoável na cidade e bom na estrada. Poderia ser melhor em função da força disponível e da ausência do conversor de torque, mas o alto peso do modelo joga contra.   

 

Teste Citroën C4 Lounge MT

 

Quanto custa? 

A nova versão do C4 tem o menor preço cobrado por um sedã médio com motor turbo no país: R$ 75.590. Acima dele, o VW Jetta Trendline 1.4 TSI manual sai por R$ 80.740 e o Honda Civic Sport manual custa mais, partindo de R$ 87.900, em que pese o fato de os rivais serem mais equipados.   
 
Bem disposto e até divertido de acelerar, o C4 Lounge Origine 1.6 THP manual se destaca mesmo pela boa relação entre preço, motor, porte e equipamentos. Pesam contra o interior, que já mostra os sinais da idade, e também a desvalorização acima da média dos rivais. 
 
A garantia é de 3 anos e pacote de revisões até os 60.000 km custa ao todo R$ 4.267.

Ficha técnica:

   
MOTOR dianteiro, transversal, quatro cilindros, 1.598 cm3, 16 válvulas, duplo comando variável, injeção direta e turbo, gasolina
POTÊNCIA/TORQUE 166/173 cv a 6.000 rpm / 24,5 kgfm a 1.400 rpm
TRANSMISSÃO câmbio automático de seis marchas, tração dianteira;
DIREÇÃO eletro-hidráulica
SUSPENSÃO Independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
RODAS E PNEUS liga leve aro 16" pneus 205/55 R16
PESO 1.360 kg
PORTA-MALAS 450 litros
DIMENSÕES comprimento 4.621 mm, largura 1.789 mm, altura 1.505 mm, entreeixos 2.710 mm
PREÇO R$ 75.590

Medições Motor1

Aceleração  
0 a 60 km/h 4,2 s
0 a 80 km/h 6,1 s
0 a 100 km/h 9,0 s
 Retomada  
40 a 100 km/h (3a.) 7,2 s
80 a 120 km/h (4a.) 6,7 s
Frenagem  
100 km/h a 0 39,5 m
80 km/h a 0 24,9 m
60 km/h a 0 13,9 m
Consumo  
Ciclo cidade (etanol) 6,6 km/l
Ciclo estrada (etanol) 11,0 km/l

 Fotos: Redação Motor1.com

 

Seja parte de algo grande