Modelo marca mudança de estratégia da empresa. Mas será que ela dará certo?

Chongqing, China - Quando vimos o Lifan X80 pela primeira vez, ele nos impressionou pelo bom acabamento, estilo atraente e conteúdo promissor. Não imaginamos que seria preciso cruzar o mundo para poder avaliá-lo, mas foi exatamente isso o que aconteceu. Viemos à sede da empresa chinesa, na cidade de Chongqing, para tentar confirmar se a boa impressão tinha sido mero golpe de sorte da marca ou algo que poderia se repetir com cada potencial cliente do modelo. Um elemento fundamental para a nova estratégia da empresa: a de vender modelos mais caros e sofisticados, com margens de lucro mais generosas.

 

Lifan X80 China

 

Leia também:

O que é?

O X80 é um crossover para 7 passageiros, o que teoricamente poderia colocá-lo na liga de modelos como o Chevrolet Trailblazer ou o Hyundai Grand Santa Fe. Mas não chega a tanto. Com 4,82 m de comprimento, 1,93 m de largura, 1,76 m de altura e um entre-eixos de 2,79 m, números diferentes dos que foram apresentados inicialmente (e que já foram corrigidos na matéria de apresentação), o X80 está mais para um modelo médio alongado, como será a segunda geração do VW Tiguan no Brasil. Especialmente no que se refere a motor. O do modelo chinês é um 2.0 TSI, com injeção direta de gasolina e turbo, que conta com 183 cv a 5.000 rpm e 28,4 kgfm entre 1.600 rpm e 3.600 rpm. A transmissão é de 6 marchas, automática, responsável por dar força às rodas dianteiras. E ele deverá ser vendido também com a opção de um manual, também de 6 marchas.

 

Lifan X80

 

Como já falamos em sua apresentação mundial, que aconteceu no Salão do Automóvel de 2016, a boa impressão vinha de um desenho bem cuidado e de detalhes como a dupla vedação das portas e a operação suave das portas, bem diferente da maioria dos modelos chineses. Mas há mais detalhes que nos escaparam naquele primeiro contato, como o painel revestido de couro, o quadro de instrumentos feito de uma tela de TFT (como o Virtual Cockpit da Audi), controle de tração, HIll Descent Control (HDC) e banco do motorista com regulagem elétrica. Outra coisa digna de nota é o sistema de ar-condicionado para os bancos traseiros. Não apenas com saídas, mas com operação independente do dianteiro, com velocidade e temperatura ao gosto dos passageiros da segunda fileira.

 

Lifan X80 China

 

A terceira, instalada no porta-malas, é retrátil e fácil tanto de acionar quanto de retrair, com capacidade para levar apenas crianças ou pessoas pequenas. Sem elas, a oferta de espaço para bagagem é razoável: 407 litros. Mas parece mais.

Como anda?

Nosso contato com o X80 foi curto e limitado. Aqui na China, é preciso ter carteira internacional de habilitação para arriscar ir para as ruas. Mesmo assim, também é preciso ter um bocado de coragem: o trânsito é assustador. Não existe essa de preferencial: entra na via quem for mais rápido ou gritar mais alto. Literalmente: o que mais se ouve por aqui são buzinas. À noite, elas podem ser substituídas por faróis altos. A torto e a direito. Qualquer acidente pode ter implicações legais pesadas, especialmente para estrangeiros. Os locais aparentemente escapam sem maiores consequências, mesmo nos casos de "hit and kill".

 

Lifan X80

 

Para tornar as coisas um pouco mais difíceis, a Lifan não tem um campo de provas propriamente dito. Segundo o presidente da marca no Brasil, Fang Yinqi, ou Johnny, como ele prefere ser chamado por aí, o preço de um terreno em Chongqing é proibitivo. E a pista de aluguel mais próxima daqui fica a centenas de quilômetros. Por isso andamos com o X80 por uma pista pequena e pelas vias de acesso da fábrica. Por não mais do que 10 minutos.

 

Lifan X80

 

A tela que faz o papel de painel de instrumentos no modelo que avaliamos é cheia de truques interessantes. Se você estiver sem a chave, presencial, ela a mostra com um enorme ponto de exclamação piscando. Algo como "cadê a chave, caboclo?". Se você já estiver com ela (o mais provável), o que aparece é uma imagem do X80 de porta aberta. Feche-a e a animação faz o mesmo, mostrando o velocímetro à direita e o conta-giros à esquerda. O centro é dedicado às informações do computador de bordo. Se o tanque estiver prestes a ficar vazio, como em nosso modelo de avaliação, uma animação de uma bomba de abastecimento de combustível aparece para lembrar que seu X80 ainda não se alimenta de luz… A versão manual vem com um painel convencional.

 

Lifan X80

 

Achar uma boa posição de dirigir é fácil. A regulagem elétrica do banco do motorista o coloca sem esforço na distância e na altura correta, enquanto o ajuste de altura e distância do volante completam a tarefa. A visibilidade é favorecida pela ampla área envidraçada e só fica a dever no retrovisor interno, pequeno. Mas plenamente compensado por uma boa câmera de ré, cujas imagens são exibidas no sistema multimídia. A curiosidade é que o X80 também tem câmeras dianteiras. Elas servem para evitar "beijos" em pilastras e em objetos altos, como pedras que o capô alto possa eventualmente encobrir.

Lifan X80 China
Lifan X80 China

Apesar de todas as restrições, os 183 cv do motor 2.0 TSI do X80 mostrou boa disposição. Sensivelmente mais esperto no modo Sport de condução, que segura mais os giros do motor e faz com que ele cante alto antes das trocas de marcha. A regulagem para uma condução mais econômica era nítida no modo normal de direção, com trocas quase imperceptíveis em giros baixos. Ponto para a qualidade da transmissão.

 

Lifan X80

 

Nas simulações de buracos e de costelas de vaca que havia na pista da Lifan, pudemos avaliar uma série de coisas, como o fato de que os painéis internos não davam sinais de que virariam uma bateria de samba com o correr dos anos. Todas as peças parecem ser bem encaixadas, sem folgas acima do padrão de fabricantes de renome, com boa qualidade de construção e sem rebarbas. Os materiais são agradáveis ao toque e passam a sensação de serem mais caros do que efetivamente devem ser. No painel, detalhes que imitam madeira bancam covers convincentes do material natural.

 

Lifan X80

 

Entre uma chacoalhada e outra, também pudemos ver que a suspensão é firme, mas confortável. Ela é independente nas quatro rodas, com sistema multilink na traseira. Na única curva fechada do pequeno circuito, forçamos o crossover e sua carroceria adernou muito pouco. Isso talvez não se mantenha em uma curva em que seja possível desenvolver velocidades mais altas, mas podemos dizer que é bem promissor.

Quanto custa?

A Lifan sabe bem que tem um longo trabalho de construção de reputação no mercado brasileiro. E que os modelos muito baratos enfrentam a desconfiança de uma fatia mais conservadora do que as demais. Por uma razão simples: quem tem pouca grana não pode se dar ao luxo de errar na escolha. E, por isso, evita apostar em caras novas e só vai no que é seguro ou, no mínimo, conhecido.

 

Lifan X80 China

 

Com o X80, a Lifan tem uma decisão diferente a tomar. Não dá para vender um carro como ele por valores muito baixos, sob pena de perder dinheiro, nem dá para colocar uma etiqueta de preço que assuste. Segundo Luiz Zanini, diretor de marketing da Lifan Motors, o que ele oferece de conteúdo permitiria um valor de venda de R$ 150 mil, mas a ideia é vendê-lo por cerca de R$ 110 mil, com possibilidades de variações de pesquisa eleitoral: uns 5% para mais ou para menos. Se ele for exportado ao Brasil com o mesmo conteúdo, e por este preço, apostamos que ele fará muito dono de sedã ou candidato a crossover médio pensar com carinho na marca chinesa. Pode ser o começo de uma virada de mesa para a empresa no mercado brasileiro, com início marcado para a primeira metade de 2018.

Texto e fotos: Gustavo Henrique Ruffo, de Chongqing (China)

Viagem a convite da Lifan Motors

Seja parte de algo grande