Por quase o mesmo preço, fica a pergunta: já é a hora de ter um híbrido na garagem?

Precisamos falar sobre futuro. E não de um futuro distante, onde os carros se dirigirão sozinhos e serão compartilhados, mas de um futuro bem próximo, quase o amanhã. O amanhã em que modelos híbridos e elétricos serão cada vez mais comuns e, acreditem, este é um caminho que não temos por onde escapar. Mas até onde vale a pena já entrar nesta onda e ter um híbrido na garagem? Para responder, reunimos dois modelos da Toyota: o Corolla Altis, versão topo do líder disparado do segmento de sedãs médios, e o Prius em sua versão única e com crescente volume de vendas. Ambos separados por menos de R$ 10 mil...

 

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

Espaço e praticidade

O Prius é o primeiro dos frutos da plataforma modular TNGA (Toyota New Global Architeture), a mais nova da empresa e que também serve de base ao aguardado SUV CH-R. Podemos perceber a evolução, para começar, no aproveitamento do espaço interno do híbrido. Mesmo sendo menor em quase todas as medidas externas, o Prius consegue ser mais espaçoso que o Corolla, principalmente para as pernas na dianteira e traseira, além de usar algumas artimanhas para aumentar a sensação de amplitude, como a alavanca do câmbio no painel. As baterias estão no assoalho, embaixo do banco traseiro, mas não alteram o espaço - reflexo do projeto da plataforma já projetada para tal função.

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis
Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

O híbrido leva mais um ponto em ergonomia. Os comandos estão no lugar certo, a não ser o freio de estacionamento por pedal (merecia um elétrico) e a alavanca de câmbio que exige alguns minutos de concentração para entender sua operação. O Corolla insiste em manter o botão de regulagem dos retrovisores externos no lado esquerdo do painel, algo já do passado, e manter o volante usado do Etios, o que não é legal em um carro que ultrapassa, em quase todas as versões, os R$ 100 mil. 

Ponto forte do Corolla é seu porta-malas, com 470 litros. O Prius, com 412 litros, rebate ao usar uma tampa que dispensa os braços (que rouba alguns litros quando fechado) e, quase como um hatchback, permite levar cargas mais altas com o tampão recolhido. Em comum, ambos trazem cinto de segurança de 3 pontos para todos os passageiros e fixação Isofix no banco de trás.  

Acabamento e equipamentos

A linha 2018 do Corolla recebeu uma lista de itens que, realmente, faziam falta ao modelo diante da concorrência. Caso dos controles de tração e estabilidade e dos sete airbags (frontais, laterais, de cabeça e de joelho para o motorista), que vieram como equipamentos de série em todas as versões. A versão Altis adiciona os faróis de LEDs com luzes diurnas, bancos e acabamento em couro claro, piloto automático, acendimento de faróis e limpadores automáticos, sistema multimídia com tela de 7" e GPS, painel com tela central colorida para o computador de bordo, rodas aro 17" e ar-condicionado de duas zonas, além da abertura de portas e partida com chave presencial, por botão. 

 

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

 

O Prius é ainda mais recheado. Além de tudo do Altis, há sistema de som de alta qualidade da JBL, head-up display, faróis de neblina em LED, aquecedor dos bancos dianteiros, carregador de celular por indução e painel de instrumentos com duas telas configuráveis, que inclusive foram emprestadas ao Etios. Pena que a central multimídia, assim como no Corolla, demora para responder os comandos, além de ter navegabilidade confusa. Nos Estados Unidos, existe o Prius Prime, com tela maior e sistema Android, mais moderna. Seria um diferencial bem legal para ele aqui. 

 

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

 

No acabamento, por mais que o Corolla use materiais de qualidade e tenha encaixes corretos, o Prius dá um passo adiante. Além do painel de desenho futurista, há suavidade no toque, forros de portas mais bem acabados e materiais superiores, algo que já tinha chamado nossa atenção no primeiro teste do híbrido. Alguns podem criticar o painel digital no centro, como no Etios, mas há o head up display, algo que você irá provar e não querer mais largar. O Corolla, conservador, segue uma linha funcional. E ambos trazem o relógio digital no painel, algo que a Toyota parece que não abandonará nem quando os carros voarem...

Ao volante

O Prius é um híbrido. E como isso funciona? Ele possui um motor a combustão, 1.8 com duplo comando variável a gasolina, de 98 cv e 14,2 kgfm de torque, e mais um elétrico com o equivalente a 72 cv. Até determinada faixa de aceleração, apenas o motor elétrico trabalha. Quando necessária mais força, ambos trabalham juntos (resultando em 123 cv) e, ao mesmo tempo, o 1.8 pode recarregar as baterias - sem necessidade de ligar o carro na tomada, como nos híbridos plug in. Pode parecer confuso, mas é menos do que parece. O Prius mostra no painel qual motor está sendo usado, ou os dois ao mesmo tempo, além da carga indo para as baterias. E roda quase 2,5 vezes a mais que o Corolla com 1 litro de gasolina na cidade.

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis
Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

Afora a economia de combustível e menor nível de emissões, o Prius tem a vantagem da entrega de torque instantânea do motor elétrico. Ou seja, por mais que o Corolla use motor 2.0 de até 154 cv e 20,3 kgfm de torque e seja 60 kg mais leve, ele praticamente empata com o Prius na aceleração até os 60 km/h, que simula uma situação de circuito urbano. A sensação, principalmente na cidade, é de que o híbrido é mais esperto do que os números mostram, justamente pela força disponível em tempo integral. Nas demais medições de desempenho, vantagem para o Corolla e seu motor a combustão, mesmo com o Prius usando o modo "Power". Há ainda os modos "Eco" e "Normal", além do EV (somente elétrico), uma boa opção para a cidade.

A plataforma TNGA dá mais uma vantagem ao Prius. Mais moderna, ela tem suspensão traseira multibraços, independente. Por mais que o Corolla traga nova calibração da suspensão na linha 2018, mais dinâmica, o Prius aproveita o peso das baterias no assoalho para fazer curvas com maestria. E entrega conforto em nível similar, algo que o Corolla perdeu proporcionalmente com a atualização das molas, amortecedores mais rígidos e pneus de perfil mais baixo. 

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis
Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

Para quem usa o carro no trânsito urbano, o Prius oferece, além do silêncio da operação do motor elétrico, um eficiente isolamento acústico, inclusive com vidros laterais duplos, mais grossos, que isolam a cabine dos ruídos do mundo exterior. Junte isso com a posição de dirigir, mais ergonômica e com as pernas mais esticadas, e o híbrido leva vantagem também no conforto a bordo. O Corolla é bom, como um sedã médio, mas o ruído do motor está mais presente e a posição de dirigir é menos cômoda que a do seu irmão híbrido. Não a toa, a TNGA será a plataforma da próxima geração do Corolla. 

Compra e manutenção

O futuro tem seu preço. O Prius, vendido em versão única, sem opcionais e importado, custa R$ 126.600. Parece salgado, mas toda a tecnologia híbrida ainda é cara para as montadoras e precisa ser repassada ao consumidor - e olha que ele paga menos imposto por ser "verde". Mas o Corolla, sem nada disso e menos equipado, cobra R$ 116.990 nesta versão topo de linha. Chegamos a uma diferença de R$ 9.700. Só nisso, o Prius já justificaria a compra pelo menor consumo e equipamentos que oferece a mais.

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis
Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis
Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

Mas vamos com calma. Na hora de fazer o seguro, o Prius não é econômico como seu sistema propulsor. Seguindo o perfil de homem, 35 anos, casado e morador da zona oeste de São Paulo (SP) pagará, em média, R$ 7.900. O dono do Corolla pagará R$ 5.600, uma diferença de R$ 2.300. Em compensação, para quem é de São Paulo (SP), metade do IPVA do Prius é devolvido (após algumas burocracias) e no Rio de Janeiro (RJ), ele paga apenas 1,5% do valor venal. Rodízio na capital paulistana? Não existe para o Prius!

Atualização: Após a publicação, a Toyota nos enviou a cotação feita pelo banco Toyota com a seguradora Mitsui. Pelo perfil que usamos no comparativo, o Corolla cobra R$ 3.752, contra R$ 3.702 do Prius, quase um empate. 

A manutenção dos dois até os 30.000 km (ou 3 anos, período da garantia), são parecidas, com leve vantagem para o Prius:

  TOYOTA COROLLA 2.0 TOYOTA PRIUS
1ª REVISÃO (10.000 KM OU 1 ANO) R$ 269,89 R$ 237,79
2ª REVISÃO (20.000 KM OU 2 ANOS) R$ 624,00 R$ 624,00
3ª REVISÃO (30.000 KM OU 2 ANOS) R$ 432,00 R$ 432,00
TOTAL R$ 1.325,89 R$ 1.293,79

Importante considerar que o Prius possui garantia de 8 anos para o sistema híbrido, que inclui baterias, motor elétrico e centrais de controle do motor e da bateria e inversor. Para isso, o serviço nas concessionárias é prolongado pelo mesmo tempo. Então colocamos a tabela do Corolla ao lado como referência. 

  TOYOTA PRIUS TOYOTA COROLLA 2.0
4ª REVISÃO (40.000 KM OU 4 ANOS) R$ 999,00 R$ 894,00
5ª REVISÃO (50.000 KM OU 5 ANOS) R$ 570,00 R$ 423,00
6ª REVISÃO (60.000 KM OU 6 ANOS) R$ 1.146,00 R$ 606,00
TOTAL R$ 2.715,00 R$ 1.923,00

A sétima e oitava revisões de ambos não possuem tabela de preços fixas, com mão de obra variável conforme a concessionária e região. Os preços a seguir incluem apenas peças:

  TOYOTA PRIUS TOYOTA COROLLA 2.0
7ª REVISÃO (70.000 KM OU 7 ANOS, SEM MÃO DE OBRA) R$ 254,77 R$ 269,89
8ª REVISÃO (80.000 KM OU 8 ANOS, SEM MÃO DE OBRA) R$ 487,10 R$ 380,89
TOTAL R$ 741,87 R$ 650,78

Ou seja, sob as mesmas condições, o Corolla custará R$ 3.899,67 ao seu proprietário. O Prius levará R$ 4.750,66 em manutenções, uma diferença de R$ 853,99, sem a mão de obra das duas últimas revisões. Apensar de dividir componentes com o Corolla, o híbrido exige alguns itens específicos, como o filtro de entrada da bateria e a junta do tubo de sucção de combustível. 

 

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

 

Em conversa com mecânicos em oficinas independentes, eles deixam claro que a manutenção básica do Prius segue a do Corolla em nível de especialização, mas a parte híbrida ainda é uma exclusividade das concessionárias - seja pelas peculiaridades ou equipamentos específicos desta tecnologia, que ainda não foram repassados aos mecânicos fora da rede. Ou seja, seu mecânico de confiança não deverá por as mãos no híbrido, ao menos por enquanto. 

Conclusão

Se o Prius da geração anterior não cativou, não podemos dizer o mesmo desta nova geração. A plataforma TNGA o colocou em um patamar superior, suficiente para o híbrido tornar-se uma opção de compra atraente. Comparado ao Corolla Altis, ele é mais caro na hora da compra, na hora de fazer o seguro e na manutenção pelos oito anos da garantia do sistema híbrido. Mas oferece mais equipamentos, mais conforto, mais economia de combustível e as vantagens de não ter rodízio em São Paulo e o desconto no IPVA. As baterias? A Toyota fala em durabilidade de 10 anos, sendo que 8 deles estão cobertos por garantia. E, com a velocidade das pesquisas nesta área, o custo deverá cair significantemente se, por algum motivo, seu Prius com 10 anos der algum problema e você tiver que arcar com esta substituição. 

 

Comparativo - Toyota Prius e Corolla Altis

 

Então, sim, o Prius mostra ao Corolla Altis que já está na hora de ter um híbrido na garagem. Chega de medo do "desconhecido", que agora não é mais uma coisa de outro mundo. Além de tudo o que já listamos, o Prius é mais tecnológico, mais prazeroso de dirigir (sim, eu disse isso sobre um híbrido) e já adianta o que podemos esperar do próximo Corolla. E por isso que as vendas do Prius no Brasil triplicaram no primeiro semestre de 2017. O futuro não é amanhã, é agora!

Fotos: Mario Villaescusa

Fichas técnicas

  Toyota Corolla Altis Toyota Prius
MOTOR dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.986 cm³, duplo comando variável de válvulas, flex dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.798 cm³, duplo comando com variador na admissão, gasolina + motor elétrico
POTÊNCIA/TORQUE 143/154 cv a 5.800 rpm/ 19,4/20,3 kgfm a 4.800 rpm combustão: 98 cv a 5.200 rpm/ 14,2 kgfm a 3.600 rpm
elétrico: 72 cv/ 16,6 kgfm/ combinados: 123 cv
TRANSMISSÃO automático CVT com simulação de 7 marchas, tração dianteira automático CVT; tração dianteira
SUSPENSÃO

independente McPherson 

dianteira e eixo de torção na traseira

independente McPherson na dianteira e multibraços na traseira 
RODAS E PNEUS  liga-leve aro 17" com pneus 215/50 R17 liga-leve aro 15" com pneus 195/65 R15
FREIOS discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira, com ABS e ESP discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira, com ABS e ESP
PESO 1.340 kg em ordem de marcha 1.400 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento de 4.620 mm, largura de 1.775 mm, altura de 1.485 mm e entre-eixos 2.700 mm comprimento 4.540 mm, largura 1.760 mm, altura 1.490 mm, entre-eixos 2.700 mm
CAPACIDADES tanque 60 litros; porta-malas 470 litros tanque 43 litros; porta-malas 412 litros
PREÇO

R$ 116.990 

R$ 126.600

 

MEDIÇÕES MOTOR1 BR
    Toyota Corolla 2.0 CVT Toyota Prius híbrido
Aceleração    
  0 a 60 km/h 4,7 s 5,0 s
  0 a 80 km/h 6,8 s 7,8 s
  0 a 100 km/h

9,7 s

11,4 s
Retomada    
  40 a 100 km/h em D 7,0 s 9,6 s
  80 a 120 km/h em D 6,7 s 9,7 s
Frenagem    
  100 km/h a 0

40,6 m

41,5 m
  80 km/h a 0 25,5 m 26,0 m
  60 km/h a 0 14,3 m 14,7 m
Consumo    
  Ciclo cidade 7,0 km/l (etanol) / 10,6 kml (gasolina, Inmetro) 25,6 km/l (gasolina)
  Ciclo estrada 10,9 km/l (etanol) / 12,6 km/l (gasolina, Inmetro) 18,9 km/l (gasolina)

Seja parte de algo grande