O Ford é refinado e bem equipado, o Renault é estiloso e espaçoso. Qual levar?

Ainda que com certo atraso, a Renault foi a primeira a responder ao sucesso do Ford EcoSport. Isso aconteceu em 2011, com o lançamento do Duster, quando a marca do oval azul já se preparava para lançar a segunda geração de seu SUV compacto. O novo Eco veio em 2012 e, mais moderno que o Duster, não teve dificuldade de manter a soberania de vendas do segmento. Mas o tempo passou.

 

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

 

SUVs compactos se tornaram a febre do mercado nos últimos anos, e tanto a Ford quanto a Renault precisavam se mexer para brigar contra caras novas como Honda HR-V, Jeep Renegade, Nissan Kicks e Hyundai Creta, entre outros. Mas cada marca trilhou um caminho diferente. A francesa optou por desenvolver um Captur maior e mais parrudo para os mercados emergentes, com a base do Duster (na Europa ele parte do Clio). A norte-americana preferiu refinar o EcoSport a um nível até então desconhecido para o modelo, principalmente porque pela primeira vez ele será vendido também nos EUA, a partir de 2018.

Assim, o Ford chega (pouco) renovado no estilo e (muito) modificado no conteúdo. Apenas a dianteira reestilizada e o novo desenho das rodas identifica o EcoSport 2018 por fora - nem mesmo as lanternas foram alteradas. Mas ele traz um conjunto mecânico inédito, unindo o novo motor 1.5 de 3 cilindros ao câmbio automático de 6 marchas, além de um interior bem mais refinado. Para este primeiro teste, optamos pela versão Freestyle (R$ 86.490), que segundo a Ford deverá ser a mais vendida da gama.

 

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

 

Pelo lado da Renault, agora chegou o Captur mais esperado: com motor 1.6 SCe aliado ao câmbio automático CVT. Ele finalmente une propulsor e transmissão modernos, em oposição ao 2.0 com câmbio de 4 marchas. O CVT é da mesma família do primo Nissan Kicks, mas com a vantagem da opção de trocas manuais. Para encarar o Eco, se apresenta na versão Intense (R$ 88.400), a de topo com esse conjunto mecânico.  

Espaço e praticidade

Apesar de trazer muitas novidades mecânicas e internas, o Eco 2018 é uma atualização de meia vida da atual geração. Ou seja, não muda onde ele talvez mais precisasse - o tamanho. A tampa traseira também segue com estepe na parte externa, o que obriga sua abertura lateral. Olhando pela ficha técnica, o Ford parece apenas 7 cm mais curto que o Renault, mas na verdade o Eco tem apenas 4,10 m de comprimento se descontado o pneu sobressalente. O Captur mede 4,33 m, o que na prática significa uma carroceria 23 cm maior que a do rival.

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur
Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

Desta forma, nada muda no espaço do Eco. Bom na frente, mas limitado no banco traseiro. Não que seja apertado, mas não oferece a mesma liberdade de movimentos do Captur. O Renault também é muito mais amplo no porta-malas, com capacidade de 437 litros contra 356 litros do Ford - fator que limita o uso familiar. Novidade do Eco é uma espécie de prateleira no porta-malas, que permite deixar o piso plano quando rebate-se o encosto traseiro. Mas nada que chegue próximo ao espaço encontrado no Captur.

Bancos maiores e com nova espuma fazem parte do EcoSport 2018, melhorando a acomodação de motorista e passageiro. A posição de dirigir é boa, sem ser muito alta, enquanto o volante agora é o mesmo do Focus, de três raios. No Captur a posição é exageradamente elevada, e o volante peca por só ajustar em altura - regula também em profundidade no Ford. Ponto positivo fica por conta dos bancos, grandes e cômodos, mas o encosto dianteiro poderia ser menos espesso, para liberar mais espaço para os joelhos dos ocupantes de trás.

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur
Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

Falhas de ergonomia são mais sentidas do Captur, que tem os botões do modo Eco (condução econômica), do limitador de velocidade e do "piloto automático" escondidos debaixo do freio de estacionamento. No Eco os botões dos vidros elétricos na porta poderiam estar mais próximos do motorista. E faltam alças de teto para os passageiros.    

Acabamento e equipamentos

Salto enorme no EcoSport, o interior agora está muito mais para o Focus do que para o Fiesta, do qual ele deriva. Além do volante, o SUV pegou emprestado do hatch médio o computador de bordo com tela colorida de 4,2" e boa parte do quadro de instrumentos, agora bem mais vistoso que anterior. O computador de bordo é bastante completo, incluindo quatro informações ao mesmo tempo (na tela de consumo traz média, instantânea, autonomia e litros por hora) e também a pressão dos pneus. 

 

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

 

O painel passa a ser revestido de material emborrachado, como no Fiesta mexicano, e há acabamento cinza escuro brilhante em algumas peças da cabine - estranhamente, as saídas de ar e o suporte da central multimídia são pretos, parecendo que faltou pintura ali. Também ainda não foi desta vez que o Eco se livrou das rebarbas plásticas (você ainda as encontra no recorte das peças junto às portas, por exemplo). Mas uma antiga reclamação foi resolvida: o SUV enfim ganhou central multimídia. Para compensar a espera, o sistema Sync 3 é dos melhores, trazendo tela de 8" sensível ao toque com excelente resolução, comandos rápidos e menus fáceis de navegar, além de conexão Apple Car Play e Android Auto.

Perto do Eco, o Captur não consegue disfarçar sua simplicidade. Os plásticos do acabamento interno são todos rígidos e brilhantes, que não condizem com a etiqueta de quase R$ 90 mil. O mesmo vale para a tampa do porta-objetos acima do painel, que aparenta fragilidade. Para completar, a central multimídia de 7" é a mesma dos Renault mais baratos, com resolução um tanto fraca para esta categoria, embora o sistema seja fácil de usar. A montagem, ao menos, é correta e não deixa vãos entre as peças. Os bancos são bonitos e totalmente revestidos de couro, em contraste com o restante simplório da cabine.  

  

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

 

Em termos de itens de segurança, ambos vêm de série com controles de tração e estabilidade, com função de assistente de partida em rampa, e airbags frontais e laterais. Só o Ford, porém, traz os airbags do tipo cortina e para o joelho do motorista, totalizando 7 bolsas infláveis.  

Ao volante

Primeiro SUV nacional com motor de 3 cilindros, o EcoSport 1.5 chama a atenção pelos números: rende 137 cv de potência e e 16,2 kgfm de torque, contra 120 cv e os mesmos 16,2 kgfm do motor 1.6 de 4 cilindros do Captur. Na transmissão, o Ford abandona o câmbio Powershift de dupla embreagem em favor de um automático convencional, com conversor de torque, mantendo as 6 marchas. O Renault estreia uma caixa CVT com 6 marchas simuladas.

A marca americana fez excelente trabalho no isolamento das vibrações do motor tricilíndrico. Pouquíssimas vezes, quase sempre com o motor frio, se percebe a trepidação característica deste tipo de propulsor. Já o ruído é bem diferente do antigo Sigma 1.6 de 4 cilindros, um pouco mais "nervosinho" em altas rotações. Na prática, o Eco ficou mais agradável de dirigir na cidade, já que grande parte do torque máximo é entregue até 2.250 rpm e deixa o SUV com boa sensação de força nas retomadas e trocas rápidas de faixa, tão comuns no trânsito.

 

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

 

Como havíamos notado na primeira avaliação do EcoSport 1.5, porém, o desempenho não é melhor que o da antiga versão 1.6. Em nossas medições, a aceleração de 0 a 100 km/h foi de 11,8 s para 12,3 segundos, enquanto a retomada de 80 a 120 km/h passou de 8,9 s para 10,1 segundos. A explicação? Simples: apesar de ter seus problemas de durabilidade, o câmbio Powershift não roubava tanta energia do motor quanto a caixa automática convencional. Mas a troca valeu a pena: as mudanças de marcha são suaves e a programação do câmbio é esperta, entendendo quando há subidas pelo caminho e quando é preciso reduzir rápido para ganhar força. Além disso, tem modo esportivo (S), que faz as trocas em rotações mais altas, e vem de série com borboletas no volante para mudanças manuais.

O Ford perdeu um pouco de performance, principalmente na estrada, mas ainda assim abre fácil uns dois carros do Captur nas acelerações. Embora o motor 1.6 da Renault tenha bom torque em baixos giros, a caixa CVT é totalmente voltada para o conforto, prejudicando o desempenho. Na aceleração de 0 a 100 km/h, o Captur levou "eternos" 14,2 segundos e tomou do Renegade 1.8 a condição de lanterninha da turma. Depois de embalado a situação melhora, mas não muito: na retomada de 80 a 120 km/h foram 11,3 segundos - 1,2 s atrás do rival. Curioso é que o Renault pesa apenas 14 kg extras em relação ao Ford, mas em movimento parece muito mais. O Captur é realmente lento nas saídas, enquanto o CVT fica realizando suas "falsas" trocas de marcha para dar sensação de movimento. Exageradas para um carro 1.6, as rodas aro 17" com largos pneus 215/60 também ajudam a "amarrar" o modelo.

 

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

 

Transmissões CVT têm como maior virtude fazer o motor trabalhar com baixo giro na maior parte do tempo. Na estrada, de fato, o Captur mantém cerca de 2.500 rpm a 120 km/h na reta - mas não pode aparecer um aclive que ele já perde o pique. No Eco a caixa de 6 marchas deixa o motor a 2.800 rpm na mesma situação. Ambos rodam em relativo silêncio na estrada, mas o Ford é sempre (bem) mais econômico: média de 11,8 km/l contra 10 km/l, com etanol. 

Em relação ao Eco 1.6 Powershift, o novo 1.5 AT também não mostrou melhora no consumo, com os mesmos 11,8 km/l na estrada e 8,2 km/l na cidade, contra 8,5 km/l do anterior. Novamente é preciso se levar em conta a energia consumida pelo conversor de torque como vilão de um consumo melhor - vamos aguardar o teste da versão manual para poder tirar a prova. Mesmo assim, foi bem melhor que o Captur, que registrou apenas 7,1 km/l em circuito urbano, com etanol.

A maturidade do EcoSport pode ser percebida também no rodar mais macio e silencioso. A suspensão foi recalibrada e, na dianteira, ganhou maior curso. Na traseira, está com eixo mais rígido. No geral, o Ford ficou mais confortável nos buracos e estável nas curvas, conseguindo ótimo compromisso. Também está um pouco mais silencioso, mas neste aspecto ainda há espaço para melhoras - em altas rotações o motor 1.5 é bastante audível na cabine. A direção elétrica segue bem calibrada, leve e ágil na cidade e suficientemente comunicativa na estrada.

 

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

 

No Captur as heranças do Duster pesam na dirigibilidade, literalmente. É o caso da direção eletro-hidráulica, firme demais em baixa velocidade e que dá golpes ao passar por imperfeições do piso. Já a suspensão é macia e robusta, com rodar confortável, mas poderia ser mais silenciosa - ficamos ouvindo um "tum tum" quando o carro encara ruas ruins. Ao menos a altura livre do solo é imensa e não existe a mínima preocupação de raspar os para-choques em valetas e quebra-molas.

Compra e manutenção

Sem poder esticar o EcoSport, a Ford apostou tudo na relação custo-benefício. E a versão Freestyle é a mais indicada neste sentido, já vindo com ESP, 7 airbags, multimídia de 8", ar digital, rodas de liga aro 16" e bancos parcialmente revestidos de couro - tudo por R$ 86.490. É, sem dúvida, um valor de briga para o segmento no qual ele se encaixa, principalmente levando-se em conta o recheio do modelo.

O Captur CVT, por sua vez, chegou quase tão caro quanto o 2.0 nesta versão Intense, tabelada a R$ 88.400. Tudo bem que ele vem equipadão, incluindo rodas aro 17", ar-condicionado automático, bancos de couro, ESP, 4 airbags e multimídia de 7", mas é pouco para justificar o preço acima do rival.

 

Comparativo Ford EcoSport x Renault Captur

 

Na manutenção, a Renault cobra um pouco menos. Para cobrir os 3 anos de garantia, são necessárias três revisões (uma a cada 10 mil km) com custo de R$ 472 cada, totalizando R$ 1.416. Já na Ford as manutenções custam R$ 368 (10 mil km), R$ 564 (20 mil km) e R$ 596 (30 mil km), chegando ao total de R$ 1.528 durante os 3 anos da garantia. Já com relação ao seguro, ambos tiveram cotações parecidas para o nosso perfil padrão (homem 35 anos, casado, zona sul de São Paulo): média de R$ 3.115 para o Renault e de R$ 3.005 para o Ford.

Conclusão

Não restam dúvidas de que o EcoSport evoluiu bastante, mas a Ford precisará encontrar uma forma de mostrar isso ao cliente. Quem observar só por fora, achará que o carro mudou muito pouco. Para notar todas as novidades, é preciso dirigi-lo. Talvez seja suficiente para reconquistar o público que já era fã do Eco e conhece suas limitações de espaço, mas certamente haverá dificuldades para trazer um novo cliente que já viu os outros modelos do segmento.

O Captur CVT, por outro lado, não ficou bem resolvido em termos de desempenho e consumo. Confesso que esperava mais desta versão, que tinha tudo para ser a melhor do modelo - ainda fico com a 1.6 manual. Contra o Eco, seus argumentos são estilo, espaço e porta-malas. Mas o Ford anda mais, bebe menos, é mais equipado, mais bem acabado, melhor de dirigir e ainda custa menos.    

Fotos: Rafael Munhoz 

Fichas técnicas

  Ford EcoSport Freestyle Renault Captur Intense
MOTOR dianteiro, transversal, três cilindros, 12 válvulas, 1.497 cm³, duplo comando variável, flex dianteiro, transversal, quatro cilindros, 16 válvulas, 1.597 cm³, duplo comando variável, flex
POTÊNCIA/TORQUE 130/137 cv a 6.500 rpm/ 15,6/16,2 kgfm a 4.500 rpm 118/120 cv a 5.500 rpm / 16,2 kgfm a 4.000 rpm
  automática de 6 marchas, tração dianteira automática CVT com simulação de 6 marchas; tração dianteira
SUSPENSÃO

independente McPherson 

dianteira e eixo de torção na traseira

independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira
RODAS E PNEUS  liga-leve aro 16" com pneus 205/60 R16 liga-leve aro 17" com pneus 215/60 R17
FREIOS discos ventilados na dianteira e tambor na traseira com ABS e EBD discos ventilados na dianteira e tambor na traseira com ABS e EBD
PESO 1.272 kg em ordem de marcha 1.286 kg em ordem de marcha
DIMENSÕES comprimento 4.269 mm (com estepe), largura 1.765 mm, altura 1.693 mm, entre-eixos 2.519 mm comprimento 4.329 mm, largura 1.813 mm, altura 1.619 mm, entre-eixos 2.673 mm
CAPACIDADES tanque 52 litros; porta-malas 356 litros tanque 50 litros; porta-malas 437 litros
PREÇO

R$ 86.490

R$ 88.400 

 

MEDIÇÕES MOTOR1 BR
    EcoSport 1.5 AT Captur 1.6 CVT
Aceleração    
  0 a 60 km/h 5,2 s 6,2 s
  0 a 80 km/h 8,5 s 9,6 s
  0 a 100 km/h

12,3 s

14,2 s
Retomada    
  40 a 100 km/h em D 9,6 s 10,6 s
  80 a 120 km/h em D 10,1 s 11,3 s
Frenagem    
  100 km/h a 0

42,2 m

40,1 m
  80 km/h a 0 26,4 m 25,1 m
  60 km/h a 0 14,8 m 14,1 m
Consumo    
  Ciclo cidade  8,2 km/l  7,1 km/l 
  Ciclo estrada 11,8 km/l 10,0 km/l 

Seja parte de algo grande